Confira a ordem dos trios da 16ª Parada LGBT de São Paulo

Serão 3 trios oficiais, 2 trios da CADS, um de entidade LGBT, 4 trios de entidades sindicais e 4 de empresas.

Da Assessoria de Comunicação
Manifestação teve 18 trios no ano passado (Foto: Divulgação)Manifestação teve 18 trios no ano passado
No próximo domingo (10 de junho), milhões de pessoas vão prestigiar mais uma manifestação contra a homofobia e em defesa da cidadania de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais na Avenida Paulista. Sob o tema “Homofobia tem Cura: Educação e Criminalização”, 14 trios elétricos vão desfilar desde o Museu de Arte de São Paulo (MASP), a partir das 12h, descendo a Rua da Consolação até a Igreja da Consolação, quando ocorre a dispersão, por volta das 18h.

Parceiros
Serão três trios oficiais da Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (APOGLBT), dois trios das Coordenadorias da Diversidade Sexual municipal e estadual (CADS), um de entidade do movimento LGBT (ABCDs), quatro trios de entidades sindicais (CUT, Sintratel, Comerciários, Apeoesp), dois de casas noturnas (Freedom e The L Club), um do site de relacionamentos Disponível e um da personalidade drag queen Salete Campari. Os trios oficiais serão o de abertura, o da Diversidade (7º) e o último tematizando a Paz, para combater a violência contra LGBT.

Prioridades
Segundo o coordenador de trios da APOGLBT, Nelson Matias, a ordem dos caminhões foi definida conforme as inscrições se confirmavam com a documentação necessária. Uma vez a Associação definindo onde estaria seus carros (1, 7 e 14) e as CADS definindo a posição 8 e 9, os demais espaços ficaram livres para as instituições/empresas escolherem seus lugares na avenida.

Autoridades
Antes de dar a largada nos caminhões, a APOGLBT realiza no teatro Raul Cortez, da Fecomércio, às 9h, mais uma entrevista coletiva com autoridades, com presença de parlamentares, prefeito e governador, além de lideranças do movimento LGBT brasileiro e parceiros da APOGLBT, como os patrocinadores master Petrobras e Caixa Econômica Federal. Na ocasião será lido o manifesto sobre o tema da Parada pelo presidente da APOGLBT, Fernando Quaresma.

Milhões
Após consolidar mais de três milhões de participantes nas últimas edições, cumprindo uma das principais finalidades da manifestação desde a sua fundação em 1997, que era dar visibilidade à população LGBT, a APOGLBT não fará a contagem de manifestantes. A preocupação da entidade, agora, é dar visibilidade às demandas pelo combate à homofobia e defesa de direitos de LGBT. Mesmo questões de infraestrutura, como os cerca de 1500 policiais e agentes de segurança que atuam nas últimas edições da Parada, já estão consolidados como a demanda necessária para manter a qualidade do atendimento à população, independente da variação do número de participantes.

Segue a ordem dos trios na Parada:
1º Abertura (oficial APOGLBT)
2º Central Única dos Trabaçhadores (CUT)
3º Sindicato dos Trabalhadores em Telemarketing (SINTRATEL)
4º Freedom Club
5º Trio das Lésbicas (parceria APOGLBT com The L Club)
6º Sindicato dos Comerciários de São Paulo (SECSP)
7º Diversidade (oficial APOGLBT)
8º Coordenadoria de Assuntos da Diversidade Sexual de São Paulo (CADS)
9º Coordenadoria de Assuntos da Diversidade Sexual de São Paulo (CADS)
10º Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (APEOESP)
11º ONG Ação Brotar Pela Cidadania e Diversidade Sexual (ABCD'S)
12º Disponível.com
13º Salete Campari
14º Paz / Casamento (oficial APOGLBT)

 
Encontre-nos no Google+