Eleições nos EUA: Grupo de LGBTs conservadores declara apoio a Romney

Republicano já defendeu casamento como união só entre homem e mulher.
'Não concordamos com Romney em todos os temas', diz diretora de grupo.


Do Gay1 Mundo
O republicano Mitt Romney dá uma volta na praia com sua esposa Ann, após parada da campanha em Holland State Park na terça (19) (Foto: Evan Vucci / AP)O republicano Mitt Romney dá uma volta na praia com sua esposa Ann, após parada da campanha em Holland State Park na terça (19) (Foto: Evan Vucci / AP)
Um grupo norte-americano de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais conservadores vai apoiar a campanha do virtual candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, Mitt Romney, anunciou nesta quarta-feira (20).

A direção-executiva do GOProud, grupo fundado por dois ex-membros do Log Cabin Republicans, Christopher Barron e Jimmy LaSalvia, votou na terça pela apoio oficial ao republicano.

Casamento igualitário é um dos temas que mais dividem republicanos e democratas na campanha, principalmente após o presidente Barack Obama, candidato à reeleição, ter defendido publicamente o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Três dias depois, Romney afirmou, durante dircurso na maior universidade cristã do país, no estado da Virgínia, que o casamento é uma união entre um homem e uma mulher.

Criado em 2009 com integrantes LGBTs e heterossexuais, o GOProud lançou peças publicitárias contra democratas nas eleições legislativas e está preparando uma nova campanha em nome de Romney para a presidencial.

“GOProud está preparado para usar muitos dos nossos recursos para ajudar a fazer de Mitt Romney o próximo presidente dos Estados Unidos”, disse Lisa De Pasquale, chefe interina da direção do grupo ao “Yahoo News!”.

Dois dos membros do grupo, sendo um deles o ex-presidente Barron, votaram contra o endosso à candidatura republicana. LaSalvia disse que a organização respeita o fato de que nem todos concordam com a decisão.

“Nós não concordamos com o governador Romney em todos os temas –de fato, nós discordamos fortemente dele no apoio a uma emenda federal sobre o casamento [determinando que seja apenas a união entre homem e mulher]”, admite a diretora-executiva.

No entanto, ela afirma, nós pedimos a ele que “assuma publicamente mais ousadas e conservadoras quanto à reforma tributária, a reforma assistencial e os gastos públicos”.

 
Encontre-nos no Google+