“Não gosto de ter que colocar a estrela rosa” diz Marco Nanini sobre orientação

Homenageado pelo Cine Ceará 2012, o ator conversou com a imprensa durante coletiva e falou sobre a decisão de ter saído do armário.

Do Gay1 Entretenimento

Marco Nanini recebe o troféu Eusélio Oliveira no Cine Theatro São Luiz (Foto: AgNews)Marco Nanini recebe o troféu Eusélio Oliveira no Cine Theatro São Luiz (Foto: AgNews)
Marco Nanini é o homenageado da 22ª edição do Cine Ceará, que começou nesta sexta-feira (1) e termina daqui uma semana. O ator esteve presente na abertura do festival e recebeu das mãos do diretor Luiz Carlos Barreto, em cerimônia realizada no Cine Theatro São Luiz, o troféu Eusélio Oliveira. Bem-humorado, Barreto disse que entregava a estatueta com desgosto. “Porque em 50 anos de produção nunca trabalhei com o Nanini”, afirmou o diretor. Nanini agradeceu e disse que se sentia honrado pela homenagem.

Durante a coletiva de imprensa com o ator, que aconteceu pouco antes da cerimônia de abertura, Nanini foi questionado sobre o motivo pelo qual decidiu assumir sua orientação sexual publicamente (o ator fez a declaração em 2011) e foi taxativo: “Tive vontade. Foi a simplicidade que saiu (a declaração)”. E completou: “Também porque há uma questão de homofobia que vem crescendo e é perigosa. Que não precisa ter”.

Apesar de ter falado sobre o assunto abertamente, o ator disse que prefere evitar rótulos. “Não gosto da história de você ter que colocar a estrela rosa. Acho isso cafona (risos). Você botar um crachá para dizer (que é homossexual). O que interessa se você é gay, gordo ou magro?”, ponderou ele, que disse ter evitado o tema até então por não ser seu “perfil”.

“Havia sempre uma pressão de algum tipo de revista que precisa abordar esse assunto e eu não gosto de responder essa pergunta assim. Não é por nada, só não é do meu temperamento”, explicou. O ator reafirmou que o que o motivou foi a violência. “Achei que com esse momento de homofobia crescente eu precisava me colocar. Senti necessidade de me colocar. Era importante”, afirmou o ator.

“Também o que que interessa o que um senhor de 64 anos faz embaixo das cobertas? (risos) Interessa que você não pode humilhar nenhuma criatura e nem bater com uma chave de fenda seja em quem for. Isso que é esquisito. Bater porque é isso ou aquilo. Discriminar porque é pobre, ou é burro, ou porque não tem cultura, ou porque tem”, finalizou.
 
Encontre-nos no Google+