LGBTs nos quadrinhos podem ajudar a combater a homofobia, diz autora na Comic-Con

Por Estefani Medeiros, em San Diego

A autora de quadrinhos Alyson Bechdel após painel na San Diego Comic-Con (Foto: Estefani Medeiros)A autora de quadrinhos Alyson Bechdel após painel na San Diego Comic-Con (Foto: Estefani Medeiros)
Em maio deste ano, a Marvel anunciou que realizaria o primeiro casamento entre pessoas do mesmo sexo das HQ's, com o herói Estrela Polar e o namorado Kyle como protagonistas. Menos de um mês depois, a DC Comics tirou o personagem Lanterna Verde do armário. Apesar das notícias serem recentes, a história da cultura LGBT nos quadrinhos já tem 40 anos, comemorados com discussão na Comic-Con, nesta sexta (13).

A veterana dos quadrinhos LGBTs alternativos, Trina Robins diz que a levar o assunto para o mainstream com histórias de personagens da Marvel e DC, as duas maiores editoras de quadrinhos dos EUA, "pode ajudar a combater a homofobia."

"Eu moro em San Francisco, que é bastante amigável para os gays, mas em grande parte dos estados americanos, as pessoas são muito preconceituosas", explica. "Sempre vão existir pessoas homofóbicas, mas os quadrinhos podem ajudar a entender melhor esse momento."

O momento a que Robins se refere é o apoio do governo americano e do presidente Barack Obama aos casamentos igualitário. "É claro que os lançamentos nessa época são uma boa hora para ganhar dinheiro, mas também é sobre mostrar a diversidade desses heróis, tornar o universo mais rico", completa.

Para James Robinson, autor do quadrinho "Earth 2", em que Allan Scott revela sua sexualidade, disse que ainda precisa "tomar muito cuidado quando escreve esse tipo de história". "Acho que nos últimos dez anos melhorou muito, mas infelizmente a América ainda tem dificuldades para aceitar os gays, por isso ainda tenho medo de criar vilões, acho que as pessoas agora precisam de bons exemplos."

Para Nicola Scott, que ilustrou a história do Lanterna Verde em parceria com Robinson, a história também tenta acabar com o perfil de um estereótipo gay. "O estilo tem que seguir a personalidade do personagem, não sua sexualidade. Um personagem pode ser gay e não ser feminino, ou vice-versa, eles não precisam parecer um casal, o beijo tem que ser algo natural."

Alyson Bechdel, autora de histórias de personagens lésbicas como "Dykes to Watch Out For", concorda que introduzir o assunto mostrando histórias com personagens bonzinhos é uma boa solução. "O que importa é que está acontecendo uma mudança orgânica, um envolvimento que pode ajudar a movimentar a sociedade."
 
Encontre-nos no Google+