Partido de Obama vai apoiar formalmente a união igualitária

Partido Democrata se encaminha para apoiar a união na Convenção Nacional.

Do Gay1
Obama cumprimenta eleitores no aeroporto internacional JFK (Foto: Jim Watson/AFP)Obama cumprimenta eleitores no aeroporto internacional JFK (Foto: Jim Watson/AFP)
Depois que Barack Obama se tornou o primeiro presidente americano a se posicionar a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo, em maio deste ano, o Partido Democrata se encaminha para apoiar formalmente a união, como parte da plataforma oficial que votará em sua Convenção Nacional, no começo de setembro. Segundo um dirigente da organização, a comissão encarregada de redigir a plataforma política do partido aceitou neste fim de semana incluir no documento uma seção com o respaldo do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

O esforço de vários democratas para apoiar formalmente a união ganhou impulso depois que Obama expressou seu apoio pessoal ao casamento igualitário. Na época, o candidato da oposição e ex-governador de Massachusetts, Mitt Romney classificou o casamento entre pessoas do mesmo sexo como um tema “muito delicado e sensível”, mas não foi além nas críticas à declaração de Obama. Uma semana antes, um porta-voz de sua equipe de campanha deixou o cargo depois de pesadas críticas por ter se declarado gay.

Os conservadores religiosos, importante grupo da base do Partido Republicano, firmemente se opõem ao casamento igualitário, mas as pesquisas mostram apoio à causa, especialmente entre os jovens americanos.

O programa será aprovado formalmente durante a Convenção Nacional do partido, em Charlotte, na Carolina do Norte. Os 15 membros do comitê responsável pela redação da plataforma se reuniram em Mineápolis durante a semana. Um rascunho do documento final será entregue em um encontro em Detroit, em 10 de agosto, antes de ser enviado para os delegados da convenção para aprovação final.

Filhas foram fator decisivo
Em maio, Obama mencionou que suas filhas foram um fator decisivo para a declaração e disse que sua esposa, a primeira-dama Michelle Obama, compartilha das mesmas visões que ele.

"Malia e Sasha têm amigos que têm pais do mesmo sexo. Algumas vezes eu e Michelle conversamos na mesa de jantar sobre esses amigos e seus pais e, em nenhum momento, lhes passou pela cabeça que eles fossem tratados de maneira diferente. Para elas não têm sentido e, francamente, esse é o tipo de coisa que muda nossa perspectiva" disse, na época

A afirmação aconteceu após uma série de posicionamentos públicos de membros de seu governo em apoio à extensão do direito aos casais do mesmo sexo e logo depois de a Carolina do Norte se tornar o 30º estado americano a mudar a constituição para proibir essa união.

 
Encontre-nos no Google+