Polícia divulga retrato falado de suspeito de assassinar travesti no Pará

Polícia ainda busca informações sobre segundo suspeito.
Em junho, dois homens dispararam tiros contra três travestis em Belém.


Do Gay1 Brasil
Polícia divulga retrato falado de suspeito de matar travesti em Belém (Foto: Divulgação/Polícia Civil)Polícia divulga retrato falado de suspeito de matar travesti em Belém (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
A polícia civil do Pará divulgou nesta quarta-feira (25) o retrato falado de um dos suspeitos de assassinar uma travesti e atirar em outras duas no início do mês de junho deste ano. O homem estava na garupa de uma motocicleta e disparou contra as pessoas que estava na esquina da avenida Almirante Barroso com a travessa Barão do Triunfo, em Belém.

O delegado que investiga o caso, Lenoir Cunha, espera que com a divulgação da imagem a população ajude a localizar o suspeito. O retrato falado foi elaborado com a ajuda de uma das testemunhas e indica um homem que possui entre 25 a 30 anos de idade e mede cerca de 1m60 de altura. As denúncias podem ser feiras pelo disque denúncia no 181 ou pelo 190, número do Centro Integrado de Operações do Pará (Ciop).

Os agentes ainda buscam informações sobre o segundo suspeito que estava dirigindo a motocicleta no momento do crime. "Ele usava capacete e estava com a moto preparada para dar fuga ao homicida", explica o delegado.

Segundo a organização não governamental Gretta, que defende os direitos de LGBTs em Belém, em 2011, 22 assassinatos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais foram registrados na cidade. "O aumento desse tipo de homicídio preocupa e muito porque outros tipos de violência nem são registrados", explica Bruna Lorrane, representante da ONG.

Polícia do Pará se capacita para receber denúncias sobre homofobia
A partir da próxima semana, os atendentes do disque denúncia do Pará estarão aptos para receber informações sobre homofobia e crimes discriminatórios. Os servidores passam por uma capacitação nesta quinta-feira (26).

“Muitos casos de violência não são denunciados. A partir de agora, a vítima terá a certeza de que receberá um atendimento de qualidade e será bem orientada”, declara Bruna Lorrane, representante do movimento LGBT.

A capacitação faz parte do Plano Estadual de Segurança Pública e Combate a Homofobia. Além de policiais civis, policiais militares, bombeiros, servidores do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe), do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves e do Departamento de Trânsito do Estado do Pará (Detran) participarão do treinamento.

 
Encontre-nos no Google+