Lésbica que disse ter sofrido homofobia é presa por mentir para a polícia

Segundo investigações, evidências apontam que mulher fez encenação.
Ela foi liberada e vai responder por contravenção nos Estados Unidos.


Do Gay1, com informações da Reuters
Segundo a polícia, Charlie Rogers mentiu sobre ataque (Foto: Lincoln Police Department/Reuters)Segundo a polícia, Charlie Rogers mentiu sobre ataque (Foto: Lincoln Police Department/Reuters)
Uma americana que disse ter sido brutalmente agredida por ser lésbica no mês passado foi presa nesta terça-feira (21) por ter mentido para a polícia sobre o crime. Segundo o departamento de polícia da cidade de Lincoln, no estado de Nebraska, nos Esados Unidos, evidências colhidas durante as investigações apontaram que a mulher não havia dito a verdade.

Na época do caso, Charlie Rogers disse à polícia que três homens mascarados entraram em sua casa, a amarraram, e fizeram cortes em sua pele com uma faca. Frases homofóbicas foram pichadas nas paredes da casa, e a cozinha foi incendiada.

Durante as investigações, evidências e amostras de DNA colhidos apontaram contradições na história de Charlie. Os cores em seu braço eram superficiais e simétricos, e apesar de ela ter dito que foi atacada na cama, não foi encontrado sangue no local.

Segundo o jornal “NY Daily News”, a americana afirmou não ser culpada e acabou sendo liberada sem necessidade de pagamento de fiança. Ela deve responder por contravenção.

 
Encontre-nos no Google+