MPF abre inquérito civil sobre livro que incita ódio aos LGBTs

Livro de reverendo norte-americano é a “bíblia” da estratégia política de igrejas evangélicas

Do Spresso SP
Sérgio Suiama, Procurador da República (Foto: Milton Bellintani)Sérgio Suiama, Procurador da República
(Foto: Milton Bellintani)
O Ministério Público Federal solicitou inquérito civil público sobre o livro “A Estratégia – O plano dos homossexuais para transformar a sociedade”, de autoria do Reverendo Louis P. Sheldon. O parecer do procurador da República Sergio Gardenghi Suiama acata pedido da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) que alega que a obra “perpetra uma inegável incitação ao ódio, ao preconceito e à discriminação com os homossexuais”.

“The Agenda” é, há anos, a cartilha da estratégia política de igrejas evangélicas fundamentalistas nos EUA. No Brasil, lideranças políticas religiosas têm adotado, recentemente, a estratégia de considerar o segmento LGBT como alvo preferencial de ataque. Para eles, lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais são a principal ameaça ao estilo de vida em suas igrejas, desde que se tornaram mais organizados, realizam Marchas e Paradas do Orgulho e fazem advocacy em governos e parlamentos.

Lógica neonazista
No ofício, a entidade cita especificamente trechos do livro nos quais constam as afirmações: “Os promotores da estratégia, do plano homossexual, são pessoas cheias de ressentimento e ódio, misturados com autorrejeição e vergonha, e não desistirão até que tenham erradicado cada traço de moralidade e autocontenção” e “O problema não é simplesmente o tipo de sexo preferido pelos homossexuais, mas o estilo de vida que abraçam. Doenças, infecções, vícios em drogas e álcool, e ferimentos são comuns. Além disso, a evidência de disfunções sociais e emocionais é igualmente aterrorizante”.

O procurador afirma em sua representação, que os trechos destacados evidenciam que a obra em questão não está voltada somente à defesa de uma posição política. O autor qualifica o que chama de “estilo de vida gay” como “repugnante”, “perigoso”, “vulgar” e “assassino”, e afirma textualmente que LGBTs são “sexualmente imaturos”, moralmente irresponsáveis e emocionalmente instáveis”. São também, segundo sugere o autor, responsáveis pela transmissão de doenças e molestadores sexuais de crianças.

“Vê-se, desse modo, que a manifestação atingiu o âmbito de proteção dos direitos fundamentais à honra e à dignidade de um número indeterminado de pessoas homossexuais, já que as ofensas contidas no livro não estão voltadas a esta ou aquela pessoa, mas sim a toda a coletividade de homossexuais masculinos e femininos”, diz Suiama.

Toni Reis, presidente da ABGLT, considera o presuposto do título, – de uma conspiração homossexual -, uma postura tão nefasta quanto aquela que inventou os também inexistentes, mas difamatórios, “Protocolos dos Sábios de Sião”, inventados para difamar os judeus até meados do século XX para aterrorizar os não-judeus sobre um suposto (e inexistente) “plano” dos mesmos para dominar o mundo – a analogia nos parece evidente pelo próprio título do livro falar de um absurdo “plano” de LGBTs para transformar a sociedade.

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão considerou cabível análise do material com vistas à tutela coletiva dos direitos fundamentais à honra e à dignidade das pessoas LGBTs. O MPF pediu ainda que a publicação de resposta coletiva de LGBTs proporcional ao agravo encartada no próprio livro ou em jornal de grande circulação e indenização decorrente do dano moral causado à coletividade.

O livro foi lançado em março deste ano e trata-se, segundo a editora, de uma publicação de 288 páginas de análise de 33 anos do escritor sobre o tema.

 
Encontre-nos no Google+