Homem é agredido após sair de boate em SP e diz ter sofrido ataque homofóbico

Gerente foi agredido com barras de ferro, socos e chutes.
Ele teve ferimentos na face, mas passa bem.


Por Letícia Macedo
Marcas da agressão sofrida por P.R. ele teve um osso da face fraturado no último domingo (Foto: Silva Junior/Folhapress)Marcas da agressão sofrida por P.R.; ele teve um osso da face fraturado no último domingo
(Foto: Silva Junior/Folhapress)
Um gerente de tecnologia da informação de 35 anos foi agredido na Lapa, na Zona Oeste de São Paulo, na madrugada de domingo (16). A vítima, que pediu para não ser identificada e declara ser gay, foi agredida com barras de ferro, socos e chutes. Ele teve ferimentos no rosto e diz ter sido vítima de homofobia.

Depois de deixar a boate The Week, na Rua Guaiacurus, o gerente estacionou o carro para conversar com um amigo na Rua Emílio Goeldi, próximo à Avenida Ermano Marchetti, por volta das 3h, quando quatro homens armados com barras de ferro desceram de dois carros.

“Eles já chegaram dando cavalo de pau e disseram: ‘Corre, seus veados, vamos matar vocês’. O motivo, com certeza, foi homofobia. Eles sabem que a região é frequentada por gays”. Os dois amigos ainda correram, mas apenas um deles conseguiu escapar.

“Chegou uma hora em que eu não conseguia mais correr. Pelo menos dois deles me bateram, deram chutes na barriga. Durante a agressão, eu desacordei e não vi mais nada”, disse o gerente.

A vítima, que já retomou sua rotina de trabalho, disse que passa bem. “Estávamos apenas conversando, não estava beijando ou abraçado. Não entendo por que tanto ódio a ponto da pessoa querer matar a outra por causa da sua opção sexual”, declarou.

Depois de ser agredido, um policial relatou que são comuns agressões desse tipo na região, segundo o gerente. “Ele me disse para não frequentar mais aquela região, porque estão acontecendo vários casos de agressão. Eles deveriam agir em cima desses agressores e prendê-los”, contou.

O gerente foi levado para o Hospital São Camilo. O caso de lesão corporal foi registrado no 7º Distrito Policial, na Lapa. A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar o crime. Nesta quarta-feira (19), a vítima deve prestar depoimento.

 
Encontre-nos no Google+