Senado do Uruguai adia para abril votação sobre casamento igualitário

Oposição pediu mais tempo para estudar o texto.
Notícia frustrou uruguaios que planejavam manifestação para comemorar.


Da AFP
Vista do Congresso durante uma manifestação antes do debate sobre o casamento igualitário em Montevidéu em 11 de dezembro (Foto: Pablo Porciuncula/AFP)Vista do Congresso durante uma manifestação antes do debate sobre o casamento igualitário em Montevidéu em 11 de dezembro
(Foto: Pablo Porciuncula/AFP)
O Senado do Uruguai adiou para abril de 2013 a votação do projeto de lei que legaliza o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Em uma sessão extraordinária convocada em meio ao recesso parlamentar para examinar uma dezena de projetos de lei, a governante Frente Ampla (FA) - promotora da iniciativa - aceitou o pedido da oposição de adiar a votação para ter mais tempo de estudar o texto. O adiamento, até a primeira sessão de abril, foi aprovado por unanimidade.

O projeto que afirma que "o matrimônio é a união permanente entre duas pessoas de igual ou distinto sexo" foi aprovado na madrugada de 12 de dezembro com o apoio de todos os deputados da FA e de grande parte da oposição.

O adiamento foi recebido com decepção nas redes sociais, nas quais havia sido convocada uma grande manifestação diante do Parlamento à tarde, para acompanhar a votação.

Nos últimos seis anos, o Uruguai legalizou a união civil igualitária e a adoção de crianças por casais do mesmo sexo. Também habilitou a troca de nome e cirurgia de redefinição sexual, além da entrada de gays e lésbicas nas Forças Armadas.

Em junho deste ano, a justiça reconheceu, pela primeira vez, um casamento entre duas pessoas do mesmo sexo celebrado na Espanha.

Na região, o casamento igualitário está autorizado na Argentina desde 2010 e na Cidade do México desde 2009.

 
Encontre-nos no Google+