Anúncio de casamento entre dois idosos gays causa polêmica na China

Da Agência EFE
Os apaixonados mostraram o carinho que sentem um pelo outro e compartilharam em sua conta do weibo intitulada de 'O amor de dois avôs' (Foto: Reprodução)Os apaixonados mostraram o carinho que sentem um pelo outro e compartilharam em sua conta do weibo intitulada de 'O amor de dois avôs' (Foto: Reprodução)
Dois aposentados chineses, um professor de história e um entregador de água, causaram uma polêmica na internet ao revelar o amor entre eles nas redes sociais e anunciar o casamento, um dos maiores tabus no país.

Os apaixonados mostraram do carinho que sentem um pelo outro e compartilharam em sua conta do weibo - uma espécie de Twitter chinês-, intitulada de 'O amor de dois avôs', mensagens, imagens e vídeos que foram vistos por milhares de pessoas e só com isso, ambos ganharam mais cinco mil seguidores.

Em uma das fotografias postadas na conta é possível ver os dois vestidos com trajes de casamento, enquanto em um vídeo um deles canta a famosa melodia romântica chinesa 'A lua representa meu amor'.

'Os que se opõem aos homossexuais não são pessoas normais e muito menos boas pessoas. Por acaso os homossexuais influenciam na sua vida, trabalho ou estudo? Por acaso eles fazem você comer e dormir mal? Na realidade nosso amor não é um erro', escreve em seu microblog o casal de idosos.

Entrevistados pela imprensa local, ambos, que se identificam entre eles como 'pequeno bebê' e 'bebê grande', explicaram que se apaixonaram durante as entregas de garrafas de água que um fazia ao outro.

A história deles, segundo afirmaram, não foi fácil. Poucas pessoas apoiaram o relacionamento, com exceção de alguns amigos, e o filho de um deles deixou de falar com o pai.

Mesmo assim, planejam se casar no final deste mês e prometem compartilhar o casamento na internet para que os internautas de todo o mundo 'nos desejem felicidade'.

'Não nos separaremos até a morte', afirmam no microblog. 'Seguiremos juntos, não importa o quanto difícil ou doloroso isso seja', insistem.

A história de amor entre os dois gerou uma polêmica em um país onde até 2001, lésbicas, gays e bissexuais eram considerados legalmente doentes mentais e o amor entre casais do mesmo sexo segue sendo um grande tabu.

Desde a década dos anos 50, LGBTs podiam ser presos, acusados de comportamentos perversos, ou serem submetidos a 'tratamentos' que incluíam descargas elétricas e injeção de hormônios.

Durante a Revolução Cultural (1966-1976), LGBTs foram perseguidos, junto com outras 'minorias' como intelectuais, professores e religiosos.

Só a partir dos anos 90, com a abertura da China rumo ao exterior e um maior desenvolvimento econômico, as atitudes começaram a mudar e lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais começaram a ser gradualmente mais aceitos.

Até hoje proliferam supostos tratamentos e remédios para 'curar' a homossexualidade.
Atualmente, calcula-se que na China existam cerca de 30 milhões de LGBTs, 3% da população, e que mais de 16 milhões de mulheres chinesas estão casadas com gays por pressões familiares.

O assessor da associação 'Pequim Centro LGTB', Steven Leonelli louvou, por sua parte, a 'extrema coragem' do casal de namorados, 'especialmente na cultura chinesa, onde é difícil até para os jovens expressarem sua orientação sexual'.

Leonelli considera que o exemplo do docente e do entregador pode servir para que a comunidade e os chineses 'saibam mais sobre a diversidade'.

'Eles reconhecem que não é uma opção para todas as pessoas e enfatizam que querem se casar e ter uma vida feliz. É muito importante estudar o que dizem e é bom ter pessoas que falem abertamente sobre sua sexualidade', acrescentou Leonelli em declarações à Agência Efe.

Seguindo a mesma linha, o sexólogo do hospital Yuquan da Universidade de Tsinghua, Ma Xiaonian, lembrou que 'a homossexualidade é algo normal' e que se ambos são solteiros e querem fazer sua vida íntima pública, devem ser respeitados.

 
Encontre-nos no Google+