Jornal do Vaticano critica adoção por casais do mesmo sexo após decisão da Justiça

Reuters

O jornal do Vaticano salientou neste domingo que as crianças devem ser criadas por um pai e por uma mãe, após a corte suprema de apelação da Itália garantir a uma mãe lésbica a custódia de seu filho, levantando o debate sobre adoção por LGBTs.

O tribunal italiano rejeitou na sexta-feira o apelo por um pai que temia que seu filho não teria uma educação equilibrada se morasse com a mãe e sua parceira. O tribunal decidiu que era "mero preconceito" pensar que uma criança não pode ser criada normalmente por pais do mesmo sexo.

Enquanto o grupo de direitos LGBT Arcigay saudou a decisão como uma "histórica" na Itália, onde é ilegal para casais do mesmo sexo adotarem, os líderes católicos foram rápidos em defender a unidade da família tradicional.

O L'Osservatore Romano, o jornal de 151 anos da Santa Sé, publicou neste domingo editorial que procurou minimizar a decisão do tribunal, dizendo que muitas vezes as crianças crescem em circunstâncias difíceis sem uma mãe ou pai.

"Mas ninguém acredita que estas situações devem ser criadas apenas porque, em alguns casos, eles não causam danos", escreveu Adriano Pessina, diretor de bioética da Universidade Católica do Sagrado Coração.

"O ser humano é o masculino e o feminino... a família monogâmica é o local ideal para aprender o significado das relações humanas e é o ambiente para a melhor forma de crescimento é possível", disse ele.

O debate inflamou-se na Itália, enquanto milhares de pessoas se reuniram em Paris para uma manifestação em massa contra a legalização planejada presidente François Hollande sobre casamento entre pessoas de mesmo sexo.

 
Encontre-nos no Google+