Artistas protestam no Rio contra permanência de Feliciano em comissão

Evento reuniu, entre outros, Caetano Veloso, Preta Gil, Wagner Moura, Leandra Leal, Dira Paes e representantes de movimentos sociais e religiosos.

Do Gay1 RJ
Protesto contra o pastor Feliciano reuniu no Rio artistas, políticos e representantes de movimentos sociais e religiosos (Foto: Celso Pupo/Fotoarena/Folhapress)Protesto contra o pastor Feliciano reuniu no Rio artistas, políticos e representantes de movimentos sociais e religiosos (Foto: Celso Pupo/Fotoarena/Folhapress)
Convocada ontem pela hora do almoço, uma manifestação de repúdio à presidência do deputado Marco Feliciano (PSC) na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara lotou o auditório da Associação Brasileira de Imprensa, no Rio. O auditório comporta 600 pessoas sentadas.

Eleito no início do mês para o cargo, Feliciano enfrenta resistência de grupos que o acusam de ser homofóbico e racista. Ele nega e diz defender posições comuns a evangélicos, como ser contra união civil entre pessoas do mesmo sexo.

Organizado pelo deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) e pelo deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ), o evento reuniu, entre outros, os cantores Caetano Veloso e Preta Gil, os atores Wagner Moura, Leandra Leal e Dira Paes e representantes de movimentos sociais e religiosos.

Caetano disse que a saída de Feliciano é importante para que o Legislativo tenha mais credibilidade: "Vários fatos levam o povo brasileiro a desprezar o Poder Legislativo. Estamos aqui reunidos para dizer que não concordamos com essa decisão absurda, mas isso significa dizer também que nós não queremos viver sem o Congresso".

"Acho muito desonesto os parlamentares do PSC dizerem que a oposição ao nome de Feliciano é uma intolerância contra a figura dele. É, portanto, muito significativa a presença de vários líderes religiosos aqui, inclusive de um pastor presbiteriano", disse o ator Wagner Moura.

Caetano Veloso conversa com Jean Wyllys; ao fundo, Preta Gil fala com Marcelo Freixo na sede da ABI (Foto: Pedro Kirilos / Agência O Globo)Caetano Veloso conversa com Jean Wyllys; ao fundo, Preta Gil fala com Marcelo Freixo na sede da ABI (Foto: Pedro Kirilos / Agência O Globo)
O deputado Jean Wyllys afirmou que é chegada a hora de Dilma Rousseff se manifestar: "O governo sabe se meter no Legislativo quando é de seu interesse".

Mesmo com as pressões para deixar o cargo, Feliciano afirmou, por meio de sua assessoria, que a agenda da Comissão de Direitos Humanos está mantida e que ele não tem planos de renúncia.

Feliciano agendou, possivelmente para a próxima semana, uma ida à Bolívia para tratar dos torcedores corintianos presos naquele país.

Com isso, Feliciano desafiou o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que pediu uma solução para o caso até hoje. Alves havia dito que a situação de Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos era insustentável.

Em nota, a Anistia Internacional afirmou que a escolha de Feliciano para a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias é "inaceitável", por suas "posições claramente discriminatórias em relação à população negra, LGBT e mulheres".

A Anistia Internacional diz esperar que os parlamentares "reconheçam o grave equívoco cometido" e tomem medidas para substituí-lo.

Na noite desta segunda-feira, manifestantes se reúnem em frente ao Congresso Nacional em Brasília para uma vigília em protesto contra Feliciano.

 
Encontre-nos no Google+