Símbolo em defesa do casamento igualitário viraliza nas redes sociais

Enquanto a Suprema Corte dos EUA debate, internautas trocam a foto de seus perfis nas redes sociais para mostrar apoio.

Do Gay1
Milhões de pessoas compartilharam logo no Facebook em defesa do casamento de pessoas do mesmo sexo (Foto: Divulgação/AP)Milhões de pessoas compartilharam logo no Facebook em defesa do casamento de pessoas do mesmo sexo (Foto: Divulgação/AP)
Contenteza você já tenha visto uma imagem de um quadrado vermelho na sua página do Facebook. Ou um de seus seguidores no Twitter trocou a foto do rosto pelo logo com dois traços na horizontal. Uma campanha nos Estados Unidos está levando pessoas a trocarem as fotos de seus perfis nas redes sociais por um logo em defesa do casamento entre pessoas do mesmo sexo - e a campanha já conseguiu milhões de compartilhamentos.

A campanha foi lançada na segunda-feira (25) pela Human Rights Campaign (HCR), uma das maiores defensoras do casamento igualitário nos Estados Unidos. A HCR mudou seu logo para um quadrado vermelho com dois traços na horizontal, o símbolo matemático de igual. O vermelho foi escolhido porque representa, segundo os ativistas, o "amor".

O novo logo foi publicado nas redes sociais e a organização pediu que todos que apoiassem o casamento entre pessoas do mesmo sexo compartilhassem para suas redes. A campanha funcionou. Em três dias, a estimativa é que dezenas de milhões de pessoas, de todas as partes do mundo, compartilharam a imagem. Assim como ocorreram em outras campanhas, aqui no Brasil pessoas favoráveis ao casamento igualitário trocaram suas fotos pelo logo vermelho.

A campanha acontece porque, nesta semana, a Suprema Corte dos Estados Unidos está deliberado sobre duas legislações relacionadas ao casamento de pessoas do mesmo sexo. O movimento LGBT pede que as duas sejam derrubadas.

Uma das leis é a chamada Proposição 8, uma emenda na Constituição estadual da Califórnia aprovada em referendo em 2008. Essa proposição definiu que o Estado da Califórnia apenas reconhece o casamento entre um homem e uma mulher. A outra lei, chamada de Doma (Defense of Marriage Act, ou Lei da Defesa do Casamento), foi assinada pelo então presidente Bill Clinton em 1999. A Doma restringe benefícios sociais para casais do mesmo sexo, como pensões ou restituição de impostos, que são permitidos a casais heterossexuais.

Os ministros da Suprema Corte americana escutaram especialistas sobre a Proposição 8 na terça-feira e sobre a Doma na quarta. O julgamento, que só deve ser concluído em junho, pode mudar a atual legislação sobre casamento entre pessoas do mesmo sexo nos Estados Unidos.
 
Encontre-nos no Google+