Assexuados dizem sofrer os mesmos preconceitos do que os LGBTs

Grupo que não gosta de sexo representaria 1% da população mundial.
'A sociedade apresenta o sexo como uma obrigação', afirma entidade.


Da France Presse
Associação para a Visibilidade de Assexuados (AVA) foi criada em 2001 (Foto: Reprodução)Associação para a Visibilidade de Assexuados (AVA) foi criada em 2001 (Foto: Reprodução)
Um grupo de pessoas que se declaram assexuadas diz sofrer os mesmos preconceitos que lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Homens e mulheres que não sentem desejo ou a atração física, nem por homens nem por mulheres, representariam 1% da população mundial, segundo estimativas.

"Compreendi que era assexuado ao ver um programa de TV a respeito", explicou o engenheiro informático francês de 27 anos, que antes achava que sua ausência de interesse pelo sexo algo 'anormal' e que, por isso, tentava reprimir o sentimento.

Julián mantinha relações sexuais com a namorada, mas só para dar prazer a ela e não por ser levado pelo próprio desejo, admitiu.

Depois de ter compreendido que não tinha impulsos sexuais ou vontade de manter uma vida sexual, Julian navegou na web, em alguns fóruns especializados sobre o assunto, e conheceu outra jovem, assexuada como ele, com quem agora compartilha uma relação feliz e casta.

Os assexuados começam a se organizar na França, onde, nesta sexta-feira, realizam um dia destinado a defender o direito de ter uma orientação sexual diferente da grande maioria.

"A sociedade apresenta o sexo como uma obrigação", analisa o vice-presidente da Associação para a Visibilidade dos Assexuados (AVA), que se identifica apenas como Paul.

O contrário da promoção abusiva do sexo, a ausência de vida erótica, também é considerada uma espécie de perversão, lamentou.

"Ser assexuado é uma forma de sexualidade. Faz parte da diversidade das sexualidades humanas e é muito mais importante reconhecer sua existência que tentar criticá-la", enfatizou.

O certo é que não é fácil viver esta diferente orientação sexual em uma sociedade onde as relações sexuais são consideradas uma das chaves do bem-estar e desenvolvimento pessoal, disse ainda.

Há dois anos, uma conhecida jornalista parisiense, Sophie Fontanel, contou que parou de fazer sexo, em um romance intitulado "L'Envie".

O livro provocou críticas e valeu reprovações a sua autora de afirma não amar os homens.

O romance vendeu bem, e muitas leitoras agradeceram a ela por colocar em palavras sua própria ausência de desejo.

A falta de desejo sexual geral complicações e problemas para os assexuados em suas relações que pessoas que têm vontade de desfrutar do sexo, admitem.

'Conheci uma mulher há cinco meses e me apaixonei por ela, mas não sinto nenhum desejo sexual e acho que ela está se distanciando de mim, e sei que é difícil porque ela me ama', escreveu um homem no site especializado .

"Que sofrimento, eu até choro de raiva!", acrescentou o homem inscrito sob o pseudônimo 'Empático de Lyon', cidade do centro-oeste da França.

Segundo o vice-presidente da AVA, muitos assexuados formam casais com pessoas com a mesma condição.

Em 2004, um professor canadense da Brock University, Anthony Bogaert, estimou que os assexuados representam 1% da população mundial.

E a Comunidade de Visibilidade e Educação Sexual (Asexual Visibility and Education Network - AVEN), fundada em 2001 pelo americano David Jay, indica que possui 70.000 membros no mundo.

Bogaert também estima que esta comunidade sofre discriminações. "A média dos heterossexuais sente por eles menos consideração do que pelos gays e lésbicas", assinala.

O termo assexuado começou a ser conhecido no final dos anos 90 graças à internet e seus fóruns especializados.

Em 2010, foi realizada nos Estados Unidos uma semana dedicada aos assexuados, com ações de sensibilização.

Os organizadores do primeiro Dia da Assexualidade na França estão dispostos a realizar iniciativas modestas, como o envio de poemas ao site.

 
Encontre-nos no Google+