Estudo sugere que homem bissexual sente mais ciúme de mulher

Foram avaliados 134 bissexuais, sendo 84 mulheres e 50 homens.
Ciúme pode ter origem evolutiva e ligação com reprodução, diz pesquisa.


Do Gay1

Uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade Estadual da Pensilvânia em Schuylkill, nos Estados Unidos, sugere que homens bissexuais que se relacionam com mulheres sentem mais ciúmes e temem mais a traição sexual de sua parceira do que nos demais casos de bissexualidade.

O estudo foi publicado no "Journal of Social and Personal Relationships", na última semana. Foram analisados dados de 134 bissexuais, sendo 50 homens e 84 mulheres. Do total avaliado, 23 são homens bissexuais que têm outros homens como parceiros; 27 são homens bissexuais que possuem parceiras; 36 são mulheres bissexuais que têm homens como parceiros e 48 são mulheres bissexuais com parceiras do sexo feminino.

Os voluntários responderam a perguntas sobre como imaginavam-se sendo traídos e o que mais os incomodava na traição. As respostas indicam que 49% dos homens envolvidos com mulheres sentiriam ciúmes e achariam incômodos os aspectos sexuais da traição, contra 16% dos homens que namoram ou têm algum tipo de união com outro homem. Já para mulheres bissexuais, o resultado foi mais próximo: das que namoram outras pessoas do sexo feminino, 25% sentiriam ciúmes e achariam incômodos os aspectos sexuais da traição, contra 17% das que se relacionam com homens.

Todos os voluntários vivem relacionamentos monogâmicos (namoros, casamentos ou outro tipo de união), e responderam às perguntas dos cientistas via internet, com a ajuda de organizações LGBT espalhadas pelos EUA. As idades variavam entre 19 e 68 anos, de acordo com o estudo.

Uma das teorias é que o ciúme pode ter origem evolutiva e estar ligado a preocupações quanto à reprodução, afirmam pesquisadores. Os homens bissexuais que se relacionam com mulheres demonstraram mais medo da traição porque "eles são o único grupo que precisa se preocupar com a incerteza quanto à paternidade dos filhos" que vierem a ser gerados, segundo a hipótese levantada no estudo.

"Apesar da incerteza quanto à paternidade e a ameaça à reprodução serem explicações que fazem sentido, elas não são as únicas potenciais para avaliar os resultados", apontam os cientistas no estudo. "As expectativas sociais também podem ter um papel em como as pessoas reagem diante da infidelidade", ponderam.

Para homens bissexuais que se relacionam com mulheres, pode-se imaginar que eles ficariam mais incomodados com com os aspectos sexuais da traição "porque é isso que a sociedade esperaria deles", afirma a pesquisa.

 
Encontre-nos no Google+