'Professor era homossexual e jovem o seduziu para roubá-lo', diz delegado em Santa Catarina

Testemunha contou que os dois se conheceram pela internet.
Crime ocorreu 15 dias após início do namoro, em Chapecó, no Oeste.


Por Géssica Valentini
'Professor era homossexual e jovem o seduziu para roubá-lo', diz delegado
Um adolescente de 17 anos é o principal suspeito de matar o professor universitário Alcides Bittencourt, de 45 anos, em Chapecó, no Oeste de Santa Catarina. Conforme o delegado Fábio Baja, o professor era gay e uma testemunha contou que ele conheceu o jovem em um bate-papo através da internet. A principal linha de investigação é que a aproximação tenha sido com intenção de roubar o professor.

O crime ocorreu 15 dias após o início do relacionamento e acabou com a morte de Bittencourt no sábado (18). "Após conquistá-lo, os dois namoraram por cerca de 15 dias e neste período o rapaz fez inúmeras perguntas, sobre salário, bens, estava muito interessado em tudo. Isso nos leva a crer que ele já estava planejando roubá-lo", afirmou o delegado.

Segundo Baja, a testemunha ainda relatou que, no sábado, os dois se encontraram como de costume e o adolescente pediu para buscar um casaco na casa de um amigo. No caminho, na Linha São Vendelino, dois homens encapuzados e armados abordaram o veículo. "Eles se juntaram ao jovem, mas estavam nervosos e xingavam muito, dizendo que era somente para levar carro, não era para ter pessoas junto", contou o delegado.

O professor e um amigo, que acompanhava os dois, foram colocados de joelhos e as joias e pertences foram tirados. Depois, o adolescente efetuou três disparos. Bittencourt foi atingido na cabeça e no tórax e não resistiu aos ferimentos. Já o amigo, de 24 anos, foi atingido com um tiro de raspão na orelha e conseguiu procurar ajuda e chamar a polícia.

O adolescente e os dois jovens que abordaram o grupo fugiram com os pertences e o carro, um Corolla. "Tudo indica que o caso era planejado e que se trata de um latrocínio, roubo seguido por morte, mas as investigações vão continuar", explicou o delegado. Nesta segunda (20), o caso foi encaminhado para outra delegacia que deve continuar a busca pelos suspeitos e a investigação.

O corpo do professor foi velado em Chapecó e o enterro ocorreu neste domingo (19), por volta das 16h30, no Cemitério Parque Jardim do Éden.

 
Encontre-nos no Google+