Jovem russo é torturado e assassinado por ser gay

Da AFP
Jovem russo é torturado e assassinado por ser gay
Um jovem de 23 anos foi torturado até a morte na Rússia em um aparente ataque homofóbico, indicaram neste domingo os investigadores, em meio às denúncias de associações de direitos humanos sobre um aumento da intolerância contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no país.

O corpo espancado e nu da vítima foi encontrado na sexta-feira no pátio de um prédio residencial na cidade de Volgogrado, no sul, indicou uma porta-voz dos investigadores regionais.

O jovem sofreu diversos ferimentos, incluindo nos órgãos genitais, e foi sodomizado com várias garrafas.

'Foi estuprado com garrafas de cerveja e estouraram seu crânio com uma pedra', indicou à AFP Natalia Kunitskaya, porta-voz do Comitê de Investigação de Volgogrado.

Ela confirmou que o ataque parece ser um crime de ódio, um reconhecimento pouco habitual por parte dos agentes de segurança sobre o sensível tema da homofobia no país.

Dois homens de 22 e 27 anos foram detidos em relação à agressão, indicou no sábado em um comunicado o Centro de Investigação, com sede em Moscou. Um dos suspeitos tem antecedentes criminais, acrescentou.

A vítima esteve bebendo com os dois homens, aparentemente celebrando o Dia da Vitória, comemorado na Rússia no dia 9 de maio.

O investigador regional Andrei Gapchenko indicou à rádio Eco de Moscou no sábado que os homens começaram a espancar a vítima depois que ele disse que era homossexual.

O comunicado do Comitê de Investigação limitou-se a afirmar que foi aberta uma investigação por assassinato, sem comentar os possíveis motivos.

A Rússia descriminalizou a homossexualidade em 1993 e a retirou oficialmente da lista de desordens psiquiátricas em 1999.

Mas a homofobia continua sendo comum e é socialmente aceita, e praticamente nenhuma figura pública admite ser LGBT.

Várias regiões russas provocaram a ira das associações de direitos humanos ao aprovar legislação local que proíbe a propaganda positivas de direitos LGBT entre os menores, uma legislação que agora está sendo debatida no Parlamento federal.

O presidente Vladimir Putin negou em várias ocasiões estar violando os direitos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais.

Mas advertiu recentemente que a Rússia poderia mudar os acordos de adoção russos com os países ocidentais que estão legalizando o casamento entre pessoas do meso sexo, como a França.

 
Encontre-nos no Google+