Alexandre Padilha diz não ser correto propor 'cura' para LGBTs

Ministro da Saúde disse que 'reforçou' críticas a presidentes de comissões. Proposta que permite 'tratamento' passará por duas comissões da Câmara.

Publicado em 19/06/13 às 16:57

Por Nathalia Passarinho

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, afirmou nesta quarta-feira (19) que "reforçou" a presidentes de comissões da Câmara críticas ao projeto que libera a chamada suposta “cura” para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. A proposta foi aprovada nesta terça (18) na Comissão de Direitos Humanos da Casa e agora precisa passar pelas comissões de Seguridade Social e de Constituição e Justiça antes de ir ao plenário.

"Reforcei hoje ao presidente da Comissão de Seguridade e ao presidente da CCJ que não é correto um projeto de lei querer estabelecer cura para aquilo que não é doença”, disse Padilha. Para o ministro, os dois colegiados vão agir de “forma sensata”.

Padilha é o segundo ministro do governo da presidente Dilma Rousseff a se manifestar publicamente contra a proposta que determina o fim da proibição, pelo Conselho Federal de Psicologia, de tratamentos que se propõem reverter a orientação sexual ou identidade de gênero.

Nesta terça (18), a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, criticou a votação do projeto e disse que vai trabalhar para evitar que o texto seja aprovado em definitivo pelo Congresso Nacional. Depois da Câmara, o projeto ainda precisa passar pelo Senado.

Mais cedo nesta quarta, o presidente da Comissão de Direitos Humanos, deputado Marco Feliciano (PSC-SP), afirmou que Maria do Rosário, está “mexendo onde não devia”.

“Dona ministra Maria do Rosário, dizer que o governo vai interferir no Legislativo é muito perigoso. Principalmente porque ela mexe com a bancada inteira, feita não só por religiosos. O projeto foi votado por delegados, advogados”, afirmou.

O deputado lembrou que 2014 é ano eleitoral e disse que a ministra deveria ter “mais juízo”. “Para a ministra falar que vai colocar toda máquina do governo para impedir um projeto, acho que ela está mexendo onde não devia. Senhora ministra, juízo. Fale com a sua presidente, porque o ano que vem é político.”
 
Encontre-nos no Google+