Escola desenvolve projeto contra homofobia em sala de aula no Ceará

Vídeos, aulas, livros e oficinas são utilizados no programa. Tema do projeto é Literatura e Diversidade Sexual.

Publicado em 26/06/13 às 10:56

Por Carolina Esmeraldo

Estudantes da Escola Nazaré Guerra aprovam ações contra a homofobia (Foto: Dario Gomes)

Foto: Dario Gomes

Estudantes da Escola Nazaré Guerra aprovam ações contra a homofobia
A Escola Estadual de Ensino Médio Nazaré Guerra, localizada no município de Itatira, distante 216 km de Fortaleza, inova no combate ao preconceito. A instituição implementou um programa de combate ao bullying homofóbico e de conscientização da diversidade sexual. O projeto teve início no começo deste ano, entre março e abril. Usa de vídeos, aulas e oficinas para esclarecer alunos.

A literatura também é muito utilizada durante as aulas do projeto. Segundo o professor coordenador do projeto, Francisco Wesley Carlos Sales, a intenção do programa é, também, transformar por meio da literatura. "Queremos transformar por meio de livros clássicos. Perguntamos, por exemplo, se Romeu e Julieta fossem um casal gay, os alunos ainda iriam gostar?", diz Francisco.

Queremos transformar por meio de livros clássicos. Se Romeu e Julieta fossem um casal gay, os alunos ainda iriam gostar?"

Francisco Wesley

Francisco afirma que as atividades ocorrem dentro do Núcleo Trabalho, Pesquisa e demais Práticas Sociais (NTPPS), um programa de Reorganização Curricular da Secretaria de Educação do Ceará (Seduc), que aborda temas como drogas, doenças sexualmente transmissíveis, problemas familiares, meio ambiente e outros assuntos. "Estamos nos baseando no livro Saúde da Escola, que nos foi fornecido. Dentro deste material, tinha o assunto sobre diversidade sexual", afirma Francisco.

Com o tema Literatura e Diversidade Sexual, a Escola Nazaré Guerra pretende conscientizar os alunos desde os primeiros anos do colégio. "Queremos que os alunos cheguem já sabendo que a escola está com a preocupação de acabar com o preconceito", esclarece o professor. A diretoria da escola dá total apoio ao projeto, segundo Francisco. "Esse projeto veio para ajudar a gestão. A escola está sendo pioneira no assunto, pelo que a gente sabe", diz.

Antes de implantar o projeto, a instituição realizou uma pesquisa entre os alunos para saber o que eles achavam da diversidade sexual. Foram ouvidos 251 alunos. Trinta por cento deles apresentavam preconceitos e 20% já haviam presenciado atos de intolerância a LGBTs. "Depois do projeto, o preconceito diminuiu", conta Francisco.

A criação do projeto por parte da escola se deu por vários fatores. "A gente vê ainda que existe um preconceito dentro da escola, como brincadeiras. Agimos dentro da escola para que os alunos possam agir fora", explica Francisco. A ideia do projeto é expandir as ações. "Futuramente, a gente quer disseminar o projeto para o município todo, para todas as escolas", completa o professor.
 
Encontre-nos no Google+