Pai é indiciado por homofobia por torturar e ameaçar matar filho gay

O pecuarista ameaçou jogar o adolescente de 16 anos para fora do carro e arrastá-lo pelas ruas.

Publicado em 01/08/13 às 13:41

Por Taryne Zottino

Um pecuarista de Três Lagoas (MS) foi indiciado por tortura e homofobia, depois de agredir e ameaçar arrastar o filho pelas ruas da cidade. As agressões aconteceram na madrugada de segunda-feira (29), mas foram divulgadas hoje (1º) pela Polícia Civil. Na ocasião, a mãe do adolescente, de 16 anos, procurou a polícia e relatou que o pai bateu no garoto e tentou trancá-lo num quarto, sem energia elétrica por ele ser gay. "Ele bateu na cara do menino, derrubou ele no chão, montou em cima e continuou dando socos e tapas em seu rosto e humilhando, dizendo que gay tem que apanhar mesmo, que é lixo, vagabundo”, disse a mulher.

Então, os irmãos e mãe levaram a vítima para a casa da avó, mas o pecuarista foi até o local e jogou novamente o filho no chão, voltando a socar e desferir pontapés. Ainda de acordo com a mãe, o pai bateu a cabeça do menor no chão e afirmo que “estava endemoniado e que iria tirar o capeta dele na unha”. Machucado, o adolescente foi levado para o hospital pelo próprio pai que, no caminho, ainda ameaçou matar o filho, caso ele não mude a orientação sexual. Foi aí que, segundo testemunhas, o homem amarrou uma corda na perna do garoto e ameaçou jogá-lo para fora do carro e arrastá-lo pela rua.

O Conselho Tutelar foi chamado e encaminhou a vítima e a mãe até 1ª Delegacia de Polícia, onde registraram boletim de ocorrência, foram ouvidos e encaminhados para exames de lesão corporal. Com medo, a mãe do adolescente pediu medidas protetivas para que o pai não se aproxime dela ou do filho. O delegado Paulo Rosseto explica que o crime é muito grave e que a Polícia Civil tomará todas as medidas necessárias para reprimir qualquer forma de homofobia.
 
Encontre-nos no Google+