Fifa diz que não tolera homofobia no futebol

Entidade garante que no seu estatuto e no código de conduta têm regras que condenam todos tipos de discriminação.

Publicado em 24/09/13 às 21:27

O Estado de S. Paulo

Foto: Adam Davy/AP

Na Inglaterra jogadores colocaram fitas com as cores do arco íris nas chuteiras em campanha contra a homofobia.
A Federação Internacional de Futebol (Fifa) afirmou ter uma postura de tolerância zero diante das variadas formas de discriminação. A reação veio após reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, que mostrou o tabu sobre a homofobia no esporte.

A Fifa e o Comitê Olímpico Internacional (COI) não fizeram campanhas diretamente relacionadas ao combate à homofobia. Ambas, porém, possuem em seus estatutos e códigos de conduta regras que condenam a discriminação por gênero.

Em janeiro de 2012, a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais enviou um ofício à Fifa pedindo uma campanha contra a homofobia na Copa do Mundo que será realizada no Brasil. A entidade ainda espera uma resposta, segundo o presidente Carlos Magno Silva Fonseca. "Nossa ideia era de que houvesse uma campanha como as que já foram feitas contra o preconceito racial, mas não recebemos nenhuma resposta."

A escolha das sedes para as próximas Copas do Mundo e Jogos Olímpicos colocaram diante das entidades um desafio na discussão sobre a questão LGBT no esporte. Após a Copa no Brasil, em 2014, os Mundiais serão disputados na Rússia, em 2018, e no Catar, em 2022, países com histórico de violações nos direitos LGBT. A Olimpíada de Inverno, no início de 2014, será em Sochi, também em território russo.

Em agosto, a Rússia aprovou a chamada "lei antigay", que proíbe manifestações públicas a favor dos direitos LGBT - até 1993, a homossexualidade era crime no país, o que ainda está em vigor no Catar.

"Rússia e Catar se comprometeram a dar boas vindas a todos os torcedores, além de garantir a segurança deles. A Fifa acredita que (os países) vão cumprir a promessa", diz a entidade em nota. A Fifa ainda afirma ter pedido esclarecimentos aos russos sobre a "lei antigay", assim como fez o COI.
 
Encontre-nos no Google+