Fundadores do Ask.fm vão identificar autores de bullying na rede social

Após suicídio de adolescentes, site garante que disponibilizará às autoridades o IP de usuários anônimos em casos extremos.

Publicado em 02/09/13 às 18:25

Do GayTec

Foto: Reprodução

Fundadores do Ask.fm afirmaram que se comprometem a fornecer um ambiente seguro para os seus usuários.
Os fundadores do Ask.fm afirmaram que poderiam identificar usuários que praticam bullying na rede social, em caso extremos como o que levou ao suicídio de Hannah Smith, de 14 anos, vítima de assédio moral no site. Em uma carta aberta, os irmãos Terebin, que fundaram o portal em 2010 e já tem 65 milhões de usuários no mundo, disseram que apresentariam às autoridades competentes a identificação de autores de bullying anônimos por meio do IP de seus computadores.

O Ask.fm, popular entre jovens no Reino Unido, exige que seus usuários tenham que registrar e-mail, nome e data de nascimento na página, mas eles podem postar mensagens a quem quiser, de forma anônima.

Também na carta, divulgada na quinta-feira, Mark e Ilja Terebin afirmaram que se comprometiam a fornecer um ambiente seguro para os seus usuários.

"Não toleramos assédio de qualquer tipo ou qualquer forma de utilização inaceitável de nosso site" disseram.

Apesar de tentar tranquilizar usuários e anunciantes, empresas e organizações como Vodafone e Save The Children retirarem sua publicidade do portal. Outras que planejam deixar de anunciar na rede social são o McDonald's, Phones 4U, eBay, Specsavers, Laura Ashley, Zipcar, TUI Travel, British Airways e clínica de tratamento para a saúde mental Mind. O site, que lucrava cerca de 5 milhões de libras (R$ 17,5 milhões) por ano com os anúncios, teme por suas finanças.

A adolescente Hannah foi encontrada enforcada em sua casa, em Leicestershire, no Reino Unido, depois de sofrer constantes ataques em seu perfil no Ask.fm. As mensagens enviadas repetidamente para ela continham agressões como “morra”, “beba água sanitária” e “tenha câncer”. Suspeita-se que mais quatro adolescentes tenham cometido suicídio no Reino Unido, Irlanda e Estados Unidos por casos de cyberbullying na mesma rede social.
 
Encontre-nos no Google+