Lei britânica que autoriza casamento igualitário entra em vigor na Inglaterra

A chamada "Lei do Casamento Igualitário" recebeu sinal verde ano passado no parlamento.

Publicado em 28/03/14 às 14:46

Da EFE

A lei que autoriza os casamentos entre casais do mesmo sexo entra em vigor amanhã, sábado, na Inglaterra e em Gales, com dúzias de uniões já programadas para este fim de semana.

A chamada "Lei do Casamento (para Casais do Mesmo Sexo)" recebeu sinal verde ano passado no parlamento de Westminster, mas só afeta Inglaterra e Gales, pois a Escócia já aprovou a sua própria, que entrará em vigor no final de ano, enquanto a Assembleia norte-irlandesa ainda não legislou a respeito.

Esta lei do casamento igualitário foi aprovada oito anos depois de entrar em vigor no Reino Unido as uniões civis nas prefeituras para casais do mesmo sexo, que deram direitos e responsabilidades semelhantes ao casamento civil, mas sem o status de casados.

Com essas uniões, os casais do mesmo sexo podem, por exemplo, herdar o patrimônio do outro em caso de morte, mas não podem mudar de sobrenome como no caso dos casados.

Com a lei que entra amanhã em vigor, os casais do mesmo sexo poderão se casar exatamente como os heterossexuais em prefeituras e templos religiosos que os autorizem, mas não na Igreja Anglicana.

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, foi um firme defensor do casamento igualitário, apesar das críticas de muitos de seus correligionários conservadores e da hierarquia anglicana.

Para marcar a data, o governo britânico deve içar amanhã em alguns edifícios públicos a bandeira do arco-íris.

O vice-primeiro-ministro britânico, Nick Clegg, pediu que os britânicos brindem a celebração destas primeiras bodas, um momento "muito transcendente" para o Reino Unido.

A rejeição da igreja obrigou a lei a incluir a proibição destes casamentos em templos anglicanos.

Mas o arcebispo de Canterbury, Justin Welby, já suavizou o tom em relação ao assunto ao indicar que a igreja aceitou a existência de uma lei que autoriza estas bodas.

"Acho que a Igreja reagiu aceitando completamente que isto é a lei, e deveria reagir no sábado ao continuar demonstrando com palavras e ações o amor de Cristo por todos os seres humanos", disse Welby esta semana ao jornal "Guardian".

Esses comentários marcam um giro no tom empregado até agora, já que bispos anglicanos escreveram mês passado uma carta em que tentavam proibir que clérigos anglicanos gays pudessem se casar.

Segundo o "Guardian", pelo menos sete casais de membros do clero planejam celebrar seu casamento assim que a nova lei entrar em vigor.

A Igreja Anglicana está profundamente dividida na pauta do casamento igualitário, e Welby tenta evitar que esse cisma se estenda ao Reino Unido, onde algumas congregações evangélicas conservadoras ameaçaram abandonar a Igreja da Inglaterra se ela finalmente aceitar realizar casamentos entre pessoas do mesmo sexo em seus templos.

Uma recente pesquisa de opinião feita pela emissora britânica "BBC" Rádio 5 mostrou que 68% dos entrevistados acredita que o casamento igualitário deve ser permitido, frente aos 26% que se opõem.

A pesquisa, que entrevistou 1.007 pessoas, indicou que as mulheres são mais propensas a respaldar o casamento entre pessoas do mesmo sexo do que os homens, com 75% de apoio feminino a essas uniões contra 61% dos homens.

Além disso, a lei prevê que lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais britânicos que tenham se casado no exterior terão a união reconhecida como casamento também no Reino Unido.
 
Encontre-nos no Google+