Polícia prende 6 com mais de 100 celulares roubados na Parada LGBT de SP

107 aparelhos foram levados durante o evento e serão devolvidos. Polícia apura se grupo teria agido no Lollapalooza e na Virada Cultural.

Publicado em 07/05/14 às 22:13

Do Gay1

Foto: Kleber Tomaz

Celulares roubados na Parada LGBT.
A Polícia Civil de São Paulo prendeu nesta semana seis pessoas suspeitas de envolvimento com furto e roubo de 107 celulares durante a 18ª Parada do Orgulho LGBT, realizada no domingo (4), na capital paulista. Eles foram detidos por receptação.

Os aparelhos apreendidos estão no 3º Distrito Policial, Santa Ifigênia, onde serão devolvidos às vítimas. Até esta quarta-feira (7), dez donos foram à delegacia reconhecer e recuperar os objetos levados na manifestação.

Entre os detidos estão cinco homens, sendo um africano da Guiné, e uma mulher. De acordo com os policiais, eles pertencem a dois grupos distintos, que agiam durante o evento. A maioria já tinha passagens pela polícia por crimes de furto e receptação.

Os grupos estavam hospedados em três quartos de um hotel e numa lan house na Rua Guaianazes, na região central, onde foram presos em flagrante por policiais do 3º DP.

A polícia também investiga se os seis detidos também já teriam participado de roubos e furtos de celulares em abril, no festival Lollapalooza, no autódromo de Interlagos, Zona Sul, e em 2013, na Virada Cultural.

"Há forte indícios de que os 107 celulares apreendidos são produtos de roubo e furto durante a Parada Gay de domingo", disse o delegado Fabiano Vieira da Silva. "São pessoas especializadas".

Segundo os policiais, como o crime de interceptação prevê penas de reclusão de até quatro anos, foram arbitradas fianças entre R$ 5 mil e R$ 25 mil para que os detidos respondam ao crime em liberdade. No entanto, até a publicação dessa matéria, eles não haviam pago esse valor e continuavam presos.

A polícia pede para que vítimas que perderam os celulares por furto ou roubo durante a Parada LGBT compareçam ao 3º Distrito Policial para tentar identificar os aparelhos e recuperá-los. Cem mil pessoas estiveram na parada deste ano pelos cálculos da Polícia Militar (PM).

A cidade de São Paulo registrou, em média, o roubo e o furto de cerca de 460 celulares por dia nos três primeiros meses deste ano, segundo dados da Secretaria da Segurança Pública (SSP) aos quais o G1 teve acesso.

Foto: Reprodução

Participantes durante à 18ª edição da Parada LGBT, que acontece na Av. Paulista.
 
Encontre-nos no Google+