Senador americano 'sai do armário' durante coletiva: 'Sou gay. Aceite. Eu amo isso'

Jim Ferlo está tentando aprovar uma lei que rotula agressões homofóbicas como crime de ódio.

Publicado em 24/09/14 às 11:19

DO Gay1 Mundo

Foto: AP Photo/Bradley C. Bower

O senador Jim Ferlo, da Pensivânia.
Os participantes de uma coletiva de imprensa convocada para condenar crimes homofóbicos no estado da Pensilvânia, nos EUA, foram surpreendidos pela declaração do senador democrata Jim Ferlo, que saiu do armário no meio do evento. "Eu sou gay. Aceite. Eu amo isso", disse o parlamentar, de acordo com um áudio publicado na web e repercutido pela imprensa do país.

A jornalista Mary Wilson, que gravou as palavras, publicou em seguida um tweet afirmando que ele é o primeiro senador assumido do estado a se declarar publicamente. Ferlo é o responsável por um projeto de lei para expandir os crimes de ódio, incluindo agressões a lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transsexuais. A iniciativa foi motivada por um incidente no início do mês no qual dois gays foram espancados no estado.

"Nunca neguei minha homossexualidade... Só nunca fiz uma declaração oficial", disse o político. "Centenas de pessoas sabem que eu sou gay. Nunca senti que precisava usar um outdoor na minha testa. Mas eu sou gay. Aceite. Eu amo isso. É uma vida ótima", afirmou Ferlo, que depois garantiu não ter planejado tocar no assunto.

Três pessoas foram acusadas por agredir os dois gays na Filadelfia no último dia 11 de setembro. Eles foram indiciados por agressão, levar perigo a outros e conspiração criminosa. Mas não puderam ser acusados por crime de ódio. Já foram expedidos mandados de prisão contra eles.
 
Encontre-nos no Google+