Empresas tiveram medo de investir em 'Favela Gay', diz Cacá Diegues

Cineasta que produziu o filme disse que tema ainda é 'discriminado'. Longa é uma das produções exibidas no Festival do Rio.

Publicado em 08/10/14 às 15:44

Do Gay1 Entretenimento

Foto: Reprodução

O cineasta Cacá Diegues no Festival do Rio, sexta-feira (3).
O cineasta Cacá Diegues, produtor de “Favela Gay”, que participa do Festival do Rio, disse que o filme foi feito com escassez de recursos porque investidores não tiveram coragem de injetar dinheiro em uma produção com este tema. Segundo Diegues, os temas favela e homossexualidade ainda são “discriminados”.

O filme mostra a vida e as dificuldades da comunidade LGBT nas favelas do Rio. Personagens homossexuais aparecem no contexto do tráfico de drogas das favelas e nas relações com a igreja evangélica e vizinhança. A produção trata de temas como homofobia, preconceito e aceitação da família. O filme é dirigido por Rodrigo Felha e tem produção de Cacá Diegues e Renata Magalhães.

“Teve a dificuldade básica que foi a falta de recursos para fazer. Porque poucos investidores acreditavam e tinham a coragem de entrar num filme com esse tema. São dois temas meio proibidos e difíceis. Como eu disse antes, são comunidades discriminadas. Mas tirando isso, a colaboração deles foi muito grande, das pessoas que fizeram o filme. E fizeram com muito amor, com muita devoção. E o resultado é excelente. Não podia querer melhor”, disse Cacá Diegues.

O cineasta definiu ainda “Favela Gay” como um filme de amor. Ele afirmou gostar de trabalhar com o diretor Rodrigo Felha, que também dirigiu “5x Favela”, e ficou contente com o convite para produzir o novo filme.

“Ele (Rodrigo Felha) me propôs esse filme e eu fiquei muito contente. E eu disse a ele 'vamos fazer, vou estar sempre onde estiver o amor'. E esse filme é um filme de amor. É um filme de solidariedade, de fraternidade e sobre dois problemas que são muito sérios. A favela e ser gay hoje no Brasil é uma dificuldade grande”, completou.

O Festival do Rio foi aberto pela produção "O sal da terra", que mostra os bastidores do trabalho do fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado, do cineasta alemão Wim Wenders ("Paris, Texas", "Buena Vista Social Club"), no dia 24 de setembro. Ao todo, foram selecionados 69 filmes para participar do festival: 41 longas e 28 curtas. O evento vai até esta quarta-feira (8) e será encerrado com a exibição de "Trash - A Esperança vem do lixo", com Wagner Moura e Rooney Mara.

Assista ao trailer de Favela Gay:
 
Encontre-nos no Google+