Foto íntima de casal gay na Rússia vence o concurso World Press Photo de 2014

Dinamarquês leva principal prêmio de fotojornalismo no mundo.

Publicado em 12/02/15 às 11:25

Do Gay1

Foto: Mads Nissen - Scanpix/Panos Pictures / AP

Jonathan Jacques Louis, 21 anos, e Alexander Semyonov, 25, são clicados em São Petersburgo: ofensiva de Putin contra LGBTs virou conceito.
Foram divulgados nesta quinta-feira, em Amsterdã, os vencedores da edição de 2014 do World Press Photo, principal prêmio de fotojornalismo no mundo. O ganhador da melhor foto foi o dinamarquês Mads Nissen, que clicou um momento íntimo de um casal do mesmo sexo na Rússia, cujos direitos legais vêm sendo restringidos pelo governo de Vladimir Putin.

A imagem do casal clicada por Nissen faz parte de um projeto conceitual do fotógrafo chamado "Homofobia na Rússia", em referência à ofensiva do governo, apoiada por segmentos mais conservadores e aplicada em leis que restringem qualquer ato em favor dos direitos LGBT, além do não reconhecimento de relações estáveis entre pessoas do mesmo sexo.

A fotografia chamou a atenção pois competiu com centenas de outras imagens que mostravam protestos, morte e sofrimento em 2014. As principais retratavam Gaza, Ferguson e OrienteMédio, onde militantes do Estado Islâmico atuam fazendo decapitações de reféns.

"Atualmente, os terroristas usam imagens como propaganda. Temos que responder com algo mais sutil, intenso e pensativo. Estávamos à procura de uma imagem que faria diferença amanhã e não apenas hoje. A imagem vencedora demonstra o que um fotógrafo profissional pode fazer em uma situação de vida diária, estabelecendo um nível profissional para contar uma história de vida. Isto é universal" afirmou Pamela Chen, uma das juradas do concurso e diretora editorial do Instagram.

A escolha também evidencia a dificuldade em ser lésbica, gay, bissexual, travestis ou transsexual na Rússia. Em 2013, o governo russo aprovou uma lei que criminaliza a divulgação de, o que chamou, "propaganda de relações sexuais não-tradicionais" para menores. Em janeiro, outra lei, supostamente destinada a conter altos índices de acidentes de trânsito no país, proíbe as pessoas transexuais de obter licenças de condução.

"É um momento histórico para a imagem. A foto vencedora tem de ser estética para ter impacto e com potencial para se tornar ícone. Essa foto é esteticamente forte e tem humanidade" diz o presidente do júri Michele McNally, diretora de fotografia do jornal New York Times.
 
Encontre-nos no Google+