“No ‘Zorra’ é proibido piada homofóbica”, conta Marcius Melhem

Humorista fez essas afirmações durante debate sobre humor na televisão, promovido pelo festival Risadaria, em São Paulo.

Publicado em 10/07/15 às 16:29

Do Gay1 Entretenimento

Foto: Tata Barreto/Divulgação/TV Globo

Marcius Melhem é um dos redatores finais do novo "Zorra".
O humorista Marcius Melhem defende que o humor tem a obrigação de adotar posturas progressistas e tomar posições. Por este motivo, ele revelou que proíbe piadas com conteúdo homofóbico no programa exibido aos sábados na Globo.

“Este momento em que o país vive, de muita intolerância, não permite que a gente abra este flanco”, disse, referindo-se a piadas que reforçam o preconceito contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. “Vamos ridicularizar quem é homofóbico”, disse.

Melhem fez essas afirmações durante debate sobre humor na televisão, promovido pelo festival Risadaria, em São Paulo. O encontro contou também com a presença de Bruno Mazzeo, Marcelo Madureira, Caco Galhardo e Paulo Bonfá. Mauricio Stycer, do UOL, foi o mediador.

O humorista contou que o episódio do “Zorra” exibido no dia 13 de junho já estava pronto e finalizado quando ele soube da polêmica envolvendo uma campanha do Boticário. A marca foi objeto de repúdio por exibir uma publicidade, relativa ao Dia dos Namorados, que incluía casais do mesmo sexo entre os contemplados por presentes.

“Decidimos fazer um quadro novo, de dois minutos, para incluir no programa. A gente precisa ter um posicionamento claro sobre isso”, contou.

Resultou desta decisão uma sátira forte ao preconceito. Um pai leva o filho até uma perfumaria e reclama com uma funcionária dizendo que o perfume comprado na loja o levou a agarrar o seu motorista.

Questionado pela vendedora se o perfume provocou alguma reação alérgica, ele diz: “Reação de ódio ao processo de homossexualização que vocês querem fazer com o País. São pervertidos. Querem acabar com a família brasileira. Merecem ser boicotados”.

E acrescenta: “Hoje, de manhã, sem querer, usei o perfume do meu filho, que ele comprou nessa loja, olhei para o meu motorista, e me deu um tesão desgraçado. Aí eu te pergunto: como um pai de família, com 23 anos de casado, empresário, pode agarrar o motorista desse jeito? Esse perfume transforma um macho, como eu, em uma bicha desvairada".

Melhem contou que, diferentemente do que ocorreu no passado, hoje a Globo não proíbe nos programas humorísticos menções a marcas, programas da concorrência ou referências políticas.

 
Encontre-nos no Google+