Recurso já tem mais de 100 assinaturas para Estatuto da Família ir ao plenário

Agora projeto de lei também tem que ser apreciado pelo plenário da Câmara antes de ser enviado ao Senado.

Publicado em 22/10/15 às 10:24

Por Pedro Peduzzi, da Agência Brasil

“Já obtivemos mais do que o dobro do necessário”, disse Érika Kokay à Agência Brasil.

Foto: Reprodução

“Já obtivemos mais do que o dobro do necessário”, disse Érika Kokay à Agência Brasil.
A deputada Erika Kokay (PT-DF) disse que já conseguiu mais de uma centena de assinaturas de parlamentares favoráveis ao recurso que retira o efeito terminativo do Estatuto da Família, aprovado no dia 24 de setembro, por 17 votos a 5, pela comissão especial que discute a matéria.

Para que o projeto de lei seja também apreciado pelo plenário da Câmara antes de ser enviado ao Senado, eram necessárias pelo menos 51 assinaturas no requerimento, número que corresponde a 10% dos deputados federais.

O prazo para apresentação do requerimento é de até cinco sessões, contadas a partir da última segunda-feira (19). “Já obtivemos mais do que o dobro do necessário, mas ainda não divulgaremos nomes, nem o número exato para evitar pressões [para a retirada de algumas assinaturas]”, disse Érika Kokay à Agência Brasil.

O texto do relator, deputado Diego Garcia (PHS-PR), define família como o núcleo formado a partir da união entre um homem e uma mulher, por meio de casamento ou de união estável. Em algumas oportunidades, a deputada Erika Kokay disse que, se aprovado, esse estatuto “nascerá morto”, uma vez que será barrado no Supremo Tribunal Federal (STF), corte que já se manifestou favoravelmente à união civil entre pessoas do mesmo sexo.

Em decisão sobre uma ação direta de inconstitucionalidade (Adin 4.277), ajuizada pela Procuradoria-Geral da República, o então ministro do STF Ayres Britto declarou que nenhum dos dispositivos da Constituição Federal que tratam da família proíbe a formação a partir de uma relação entre pessoas do mesmo sexo. Segundo Ayres Brito, diferentemente da Constituição de 1967, que previa a família constituída somente pelo casamento, a versão de 1988 evoluiu para dar ênfase à instituição da família, independentemente da orientação sexual ou identidade de gênero de seus integrantes.
 
Encontre-nos no Google+