Estudo americano diz que sexo entre amigos faz bem e fortalece a amizade

Pesquisadora da Universidade Estadual de Boise, em Idaho, entrevistou 300 pessoas sobre o tema “sexo entre amigos”.

Publicado em 21/12/15 às 15:23

Por Versáteis

Estudo americano diz que sexo entre amigos faz bem e fortalece a amizade

Foto: Reprodução/Нравится

“Amizade colorida” faz ainda mais parte do nosso dia a dia.
Você tem aquele seu amigo ou aquela sua amiga e, num belo dia, os dois acabam “passando dos limites” do que seria considerada apenas uma amizade. No dia seguinte, fica aquela dúvida: será que as coisas vão mudar? Será que foi um erro? A boa notícia é que, de acordo com uma pesquisa realizada nos EUA, o sexo entre amigos pode ser uma boa coisa. E não estamos falando apenas do momento.

A pesquisadora Heidi Reeder, da Universidade Estadual de Boise, em Idaho, entrevistou 300 pessoas sobre o tema “sexo entre amigos”. Dos entrevistados, 20% afirmaram já ter feito sexo com um amigo em algum momento da amizade.

Uma coisa é verdade: a prática de sexo sem comprometimento amoroso está cada vez mais comum e, consequentemente, aquele conceito de “amizade colorida” faz ainda mais parte do nosso dia a dia.

Amigos com benefícios
A pesquisa de Reeder concluiu ainda que 76% das pessoas que tiveram relações sexuais com algum amigo perceberam também que a amizade ficou ainda melhor. Entre as pessoas que fizeram sexo com amigos, 50% começaram a namorar – e até o momento da pesquisa, ainda estavam na relação.

O fato é que os padrões de comportamentos sexuais já não são os mesmos – inclusive, talvez nem haja mais algum padrão. Se antes se tinha a certeza de que fazer sexo casual era garantia de sofrimento sentimental, hoje a questão é vista com olhos de experiência, apenas, sem muita preocupação.

Alguns especialistas têm recomendações, inclusive, quando o assunto é ter relações sexuais com algum amigo, sendo que entre elas estão: conhecer bem um ao outro; deixar claro quais são suas intenções e expectativas; ter sempre em mente que a relação não é formal e que ela não durará para sempre; e, claro, não esquecer as proteções básicas que envolvem o sexo seguro. E aí, você concorda com esse estudo todo ou acha que é preciso ter mais limites?
 
Encontre-nos no Google+