Atirador usava apps LGBT e ia a boate de Orlando, dizem frequentadores

Testemunha disse ter conversado com Omar Mateen em diferentes ocasiões, mas nunca foi visto se relacionando com outra pessoa do mesmo sexo.

Publicado em 14/06/16 às 00:34

Do Gay1 Mundo*

Atirador usava apps LGBT e ia a boate de Orlando, dizem frequentadores

Foto: Reprodução

Uma das fotos de Omar compartilhadas pelas redes sociais.
Pelo menos quatro frequentadores regulares da boate LGBT Pulse, onde o atirador Omar Mateen matou 49 pessoas antes de ser morto na madrugada de domingo pela polícia, disseram ter visto e conversado com ele em diferentes ocasiões. Outras pessoas que iam à casa noturna disseram que trocaram mensagens com ele em diferentes aplicativos de relacionamento LGBT.

"Às vezes ele ficava no canto, bebendo sozinho. Mas às vezes ele ficava tão bêbado que falava alto e ficava beligerante" disse ao 'Orlando Sentinel' Ty Smith, frequentador do local.

Segundo Ty, ele já conversou com o atirador em diferentes ocasiões. "Não costumávamos falar muito com ele, mas me lembro de ele falar algo sobre o pai algumas vezes. Disse que tinha mulher e um filho".

Ele e um outro frequentador, Chris Callen, que atuava como drag queen na Pulse, disseram ao 'Canadian Press' que Mateen os ameaçou com uma faca quando eles fizeram piadas religiosas.

"Ele bebia muito. Não podia beber quando estava em casa, com a família. Seu pai era muito restrito com o tema. Ele costumava reclamar disso" disse Callen.

Sob anonimato, outras pessoas que visitam o local frequentemente também disseram tê-lo visto na boate antes. O chefe policial John Mina não confirmou as visitas prévias de Mateen ao local.

Outro frequentador habitual da Pulse, Kevin West, disse que Mateen costumava conversar com ele no aplicativo de relacionamento gay Jack'd, sem saber seu nome verdadeiro. Ele disse ter visto o atirador à 1h, pouco antes do tiroteio. Ele o reconheceu enquanto deixava um amigo na boate. "Ele passou por mim, e eu disse 'oi'. Ele também deu 'oi'. Eu o reconheci pelo rosto".

Um outro frequentador, sob anonimato, disse à MSNBC que viu perfis com fotos de Mateen em outros apps gays, como Grindr e Adam4Adam. Ele teve dois amigos supostamente contatados por Mateen. "Ele era muito esquisito nas mensagens, eu o bloqueei na hora".

Mais cedo, perguntada pela CNN se o ex-marido poderia ter atrações por pessoas do mesmo sexo, sua ex-mulher, Sitora Yusufiy, hesitou e disse que não sabia.

*Com informações das agências internacionais
 
Encontre-nos no Google+