Site tira reportagem do ar após críticas por expor atletas gays da Rio-2016

A reportagem teve grande repercussão nas redes sociais, com muitas críticas pela exposição desnecessária.

Publicado em 12/08/16 às 15:07

Do Gay1 Esportes

Site tira reportagem do ar após críticas por expor atletas gays da Rio-2016

Foto: Divulgação

Imagem da Vila Olímpica dos Atletas: polêmica em reportagem sobre encontros no local.
Uma reportagem do site americano "Daily Beast" sobre encontros amorosos na Vila Olímpica foi retirada do ar após provocar polêmica por expor atletas gays nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Partindo da premissa de que a “Vila é um viveiro de atletas festeiros, conexões e sexo”, o repórter Nico Hines entrou na Vila Olímpica em busca de encontros usando vários aplicativos, entre eles o Grindr.

No texto, ele descreve as respostas que recebeu e, embora não revelasse nomes, o jornal americano “The New York Times" disse que não era difícil adivinhar quem eles eram. E nem todos viviam em países “gay friendly”.

A reportagem teve grande repercussão nas redes sociais, com muitas críticas pela exposição desnecessária. Atleta abertamente gay, o nadador de Tonga Amini Fonua foi um dos que reprovaram o texto.

"Ainda é ilegal ser gay em Tonga, e embora eu seja forte o suficiente para me assumir, nem todo mundo é. Respeitem isso", disse no Twitter.

Fora isso, ele criticou o fato de o repórter ter usado o aplicativo com esta finalidade. “Imagina um espaço que você pode se sentir seguro, um espaço onde você pode ser você mesmo, arruinado por uma pessoa heterossexual que pensa que tudo isso é uma piada?”

Diante de tamanha repercussão, o "Daily Beast" fez diversas edições na tentativa de preservar os atletas. Mas na noite de quinta-feira decidiu remover o artigo.

"Nossa esperança é que a remoção de um artigo que está em conflito com os nossos valores e com aquilo que aspiramos como jornalistas irá demonstrar o quão sério levamos o nosso erro. Estávamos errados. Vamos fazer melhor", disse uma nota assinada pelos editores. O autor da reportagem não quis comentar o assunto.
 
Encontre-nos no Google+