Colégio no Rio de Janeiro acaba com obrigação de uniforme escolar por gênero

Alunos poderão escolher se querem usar calças ou saias. Portaria com a decisão foi divulgada no site do colégio.

Publicado em 20/09/16 às 17:19

Do Gay1

Colégio no Rio de Janeiro acaba com obrigação de uniforme escolar por gênero

Foto: Reprodução/Facebook

Em junho, alunos fizeram protesto contra comentários machistas.
O Colégio Pedro II aboliu a distinção do uniforme escolar por gênero. Ou seja, não há mais especificação do que é um uniforme feminino e masculino. A decisão foi divulgada na segunda-feira (19), pela Portaria nº 2449/2016, que trata de Normas e Procedimentos Discentes e, segundo a escola, tem por objetivo manter a identidade e igualdade entre os alunos.

Com isso, os alunos poderão escolher o uniforme que desejar. A flexibilização do uniforme atende aos parâmetros da Resolução nº 12 do Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Travestis e Transexuais (CNCD/LGBT).

Em texto publicado no site do colégio, o reitor Oscar Hallack disse que procura “de alguma maneira contribuir para que não haja sofrimento desnecessário entre aqueles que se colocam com uma identidade de gênero diferente daquela que a sociedade determina”. E diz que a escola não deve estar desvinculada de seu tempo e momento histórico.

“A tradição não importa em anacronia, mas pode e deve significar nossa capacidade de evoluir e de inovar” defendeu o reitor, no site.

O documento também normatizou a flexibilização do uniforme durante o verão, medida que já vinha sendo adotada nos dois últimos anos, permitindo a utilização do uniforme de Educação Física neste período.

Alunos promoveram ‘saiato’ contra comentários machistas
Em junho, os alunos da unidade na Tijuca, Zona Norte do Rio, fizeram um “saiato” contra comentários machistas que teriam partido de alunos do Colégio Militar em redes sociais, a partir do comprimento da saia das alunas. De acordo com a determinação, eles podem assistir as aulas vestindo saias, se quiserem.

Os comentários provocaram revolta entre os alunos e alunas, que ocuparam a rua em frente ao Colégio Militar usando saias e exibindo cartazes com frases como: “O tamanho da minha saia não me define o meu caráter ou o nível da instituição que eu estudo”.

“Pedimos respeito, pois, independente da minha roupa, não mereço ser assediada na rua, não mereço ser xingada, e não mereço ser ofendida”, afirmou uma aluna.
 
Encontre-nos no Google+