O casal em que o pai deu à luz um menino chamado carinhosamente de caracol

Diane Rodríguez e Fernando Machado são transexuais e tiveram o primeiro filho no Equador.

Publicado em 27/09/16 às 17:33

DA BBC BRASIL

O casal em que o pai deu à luz um menino chamado carinhosamente de caracol

Foto: Wladimir Torres/Divulgação

"Depois de três semanas morando juntos, fiquei grávido", lembra Fernando.
Diane Rodríguez e Fernando Machado são um dos casais formados por transexuais mais famosos da América Latina e recentemente tiveram o primeiro filho no Equador.

"Ainda não escolhemos o nome. Talvez já tenhamos, na verdade, mas ainda estamos esperando para anunciá-lo", diz Diane, com os olhos fitados no celular enquanto tecla com as unhas perfeitamente bem feitas.

Ela e seu parceiro querem esperar que as coisas se acalmem um pouco.

Enquanto isso, o filho do casal chega à 18ª semana. Nascido em 20 de maio, ele é chamado carinhosamente de Caraote --"caracol".

Para muitos, Diane e Fernando são o símbolo de uma crescente tolerância sobre a diversidade sexual na região.

Paternidade
O casal se conheceu pelo Facebook.

Diane buscava alguém com quem pudesse construir uma família. Queria que a alma gêmea também apoiasse sua carreira como ativista.

Passou horas passeando por perfis nas redes sociais até que conheceu Fernando, outro transexual.

Fernando, que nasceu na Venezuela, sorri quando se lembra de como o romance começou. "Depois de alguns dias batendo papo com ela, peguei um ônibus e fui para o Equador."

"Depois de três semanas morando juntos, fiquei grávido", conta.

A gravidez só foi possível porque nem Diana nem Fernando decidiram se submeter à cirurgia de readequação sexual. Por isso, não precisaram de ajuda médica para conceber o bebê.

Mas para um pai ou mãe transexual que deseja colocar um filho no mundo, o Equador está longe de ser o paraíso da aceitação.

Episódios de violência contra minorias sexuais, como as de pessoas transexuais, ainda são comuns.

Diane, por exemplo, já foi sequestrada inúmeras vezes.

As sedes de sua ONG, a Silueta X, são monitoradas por câmeras 24 horas por dia, com o objetivo de garantir condições mínimas de segurança.

Mãe e ativista
Ativistas como Diane acreditam que sua grande visibilidade ajuda a conscientizar o público.

Por exemplo, durante a gravidez, o casal publicou no Facebook um vídeo que mostrava como um médico aconselhava Fernando a não se esquecer de que era uma mulher.

O vídeo viralizou e o hospital foi obrigado a pedir desculpas.

Ser publicamente reconhecida como uma transexual não é um problema para Diane. No entanto, ela viveu momentos dos quais prefere esquecer. A prostituição e o distanciamento da família são parte de sua história.

Agora, Diane alimenta positivamente seu status de ativista. Frequentemente, publica fotos suas com Fernando atraindo milhares de "curtidas".

Mas, para uma parcela da comunidade LGBT no Equador, não se trata apenas de uma vontade nobre.

Segundo eles, Diane tem planos de ingressar na política e estaria usando a plataforma do movimento para alcançar seus objetivos. Sua relação com o presidente do país, Rafael Correa, dizem, seria próxima demais.

Correa, que é católico, já fez comentários homofóbicos e transfóbicos publicamente.

Diane também foi alvo de críticas por suas tentativas de reconciliar a Igreja Católica com os grupos LGBT. Para alguns integrantes do movimento, isso não é possível.

Por outro lado, ela é vista como um exemplo a ser seguido por muitos. Mesmo sendo transexual, ela se recusou a fazer a operação de readequação sexual, assumiu seu papel de mãe e começou a construir uma família.

Em 2013, Diane foi a primeira transexual que se candidatou a uma vaga no Congresso equatoriano.

Apesar de não ter sido eleita, atualmente vislumbra o Senado em 2017.
 
Encontre-nos no Google+