“O TSE não tem uma política de nome social”, diz candidata trans de Campinas

Amara Moira (31) é candidata travesti para a câmara de Capinas pelo PSOL, além dela, há apenas o transhomem Régis Vascon (PCdoB).

Publicado em 22/09/16 às 00:05

Do Gay1 SP

“O TSE não tem uma política de nome social”, diz candidata trans a câmara de Campinas

Foto: Reprodução/

Amara Moira, travesti, prostituta e candidata a câmara de Campinas.
Amara Moira (31) é candidata travesti para a câmara de Capinas pelo PSOL, além dela, há apenas o transhomem Régis Vascon (PCdoB). Doutoranda pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Amara também é militante pelo direito das profissionais do sexo, profissão que exerce desde 2014 no bairro do Itatinga e narra sua experiência de maneira íntima em seu blog, que posteriormente virou o livro “E se eu fosse puta”.

Em entrevista ao site Jornalistas Livres, ela conta como surgiu a ideia da candidatura após dois anos de transativismo e os obstáculos enfrentados durante a campanha “O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) não tem uma política de nome social, para ele, Amara e Tiririca, por exemplo, são a mesma coisa”, desabafa.

Conferir a entrevista completa:

 
Encontre-nos no Google+