Cresce número de pessoas que buscam processo transexualizador

Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia atendeu cerca de 85 novos pacientes no último ano. Dados do SUS indicam que, entre 2015 e 2016, houve aumento de 32% nos atendimentos ambulatoriais em todo o país.

Publicado em 29/01/2017 às 16:46

Por Patricia Teixeira

Cresce número de pessoas que buscam processo transexualizador; mulheres trans são maioria

Foto: Arquivo pessoal/Maria Eduarda

Maria Eduarda passa pelo processo transexualizador há 8 meses no IEDE.
O Dia da Visibilidade Trans, comemorado neste domingo (29), vai ser celebrado com um gostinho diferente por Maria Eduarda. Ela é uma das transexuais que conseguiu atendimento pelo SUS e, há oito meses, se trata no Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia (IEDE).

Maria Eduarda está entre os 85 novos pacientes que buscaram o processo transexualizador em 2016 no instituto. Um número que só cresce, de acordo com o SUS. Segundo o Ministério da Saúde, entre 2015 e 2016, foi registrado aumento de 32% nos atendimentos ambulatoriais do país, passando de 3.388 para 4.467. Atualmente, o Brasil conta com nove centros, dois no Rio de Janeiro: IEDE e Hospital Universitário Pedro Ernesto, que ofertam procedimentos como terapia hormonal e acompanhamentos dos usuários em consultas no pré e pós operatório.

Mulheres transexuais são a maioria, um equivalente a 65% das pessoas transexuais que se tratam no IEDE. Em nível nacional, dados do Ministério da Saúde indicam que o número de cirurgia de sexo do masculino para o feminino cresceu 48%, de 23, em 2015, para 34 em 2016. Mas, segundo o instituto, o perfil dos interessados no processo está se alterando. "Observei um crescimento importante no último ano em relação às mulheres que desejam a mudança de gênero, já que os homens são maioria nesse processo, cerca de 65%. O conhecimento do que é ser transexual aumentou, antes, muitas mulheres não entendiam, achavam que eram lésbicas, agora, a informação chega até elas", explica a médica Karen de Marca, coordenadora do ambulatório de disforia do IEDE.

Pacientes esperam, agora, que além do procedimento clínico, a sociedade também aceite fatores como seus nomes sociais. "A Semana da Visibilidade Trans teve muita força, com muitos eventos. Com toda essa movimentação, temos esperança de que a Lei João Nery [que tramita na Câmara dos Deputados desde 2013 e busca garantir à população trans o reconhecimento a sua identidade de gênero] seja aprovada. Também festejo o fato de ter conseguido usar meu nome social na carteira da OAB", conta Maria Eduarda, que atua como advogada da ONG Grupo Pela Vidda.

Maria Eduarda nasceu com sexo masculino, mas, aos 13 anos, viu que tinha algo diferente. Aos 30, começou a se transformar por conta própria. Tomou medicamentos que não eram indicados para seu organismo e não estava satisfeita com o corpo, até que começou, aos 36 anos, o processo pelo SUS, que lhe garante atendimento com psiquiatra a cada três meses, psicólogos todo mês, além de consultas com endocronologista e assistentes sociais.

"Minha transexualização foi tardia. Infelizmente, ainda existe preconceito. As trans não conseguem emprego formal, acabam na rua ou se prostituindo. Comigo foi diferente. Quis programar a minha vida e comecei meu processo já pagando minhas contas e bem estabilizada", revela a trans.

Diferenças nos procedimentos

A médica Karen de Marca explica que para as mulheres transexuais o processo é mais demorado. Mas que o tratamento, para ambos o sexo, dura dois anos ou mais. Atualmente, cerca de 245 pacientes estão sendo acompanhados pelo ambulatório de disforia de gênero do instituto. Ano passado, o serviço realizou cerca de 620 atendimentos somente no ambulatório de endocrinologia (responsável pelo tratamento hormonal) e mais de 1.690 incluindo todas as especialidades oferecidas para esses pacientes.

"O homem, para criar características femininas, depois da puberdade, é mais demorado. É difícil reverter a voz grossa, à vezes, a mama não se desenvolve. A mulher se transformar em homem é mais rápido. Ela logo ganha forma, tem crescimento ósseo, ganha pelo, volume mamário tem redução, a voz fica grossa e a menstruação seca em seis meses. A expectativa é de que em dois anos a pessoa consiga ficar próximo do que deseja", explica a profissional.

Falta um pouco mais de um ano para que Maria Eduarda conclua o tratamento e receba um laudo atestando sua capacidade para realizar a cirurgia de readequação sexual. "É minha prioridade. O serviço ambulatorial no IEDE me atende 100%, mas lá não realiza a cirurgia, só no Pedro Ernesto. E ainda existe uma deficiência nessa questão porque o governo alega falta de verba e muitas cirurgias não puderam ser feitas", lamenta.
 
Encontre-nos no Google+