Mulher de atirador de boate LGBT em Orlando é detida nos EUA

Noor Salman foi detida em San Francisco, segundo rede CBS. Em junho de 2016, Omar Mateen matou 49 pessoas na boate Pulse.

Publicado em 17/01/2017 às 16:37

Do Gay1 Mundo

Mulher de atirador de boate LGBT em Orlando é detida nos EUA

Foto: Reprodução/Facebook

Noor Salman, mulher de Omar Mateen, teria dito à polícia que tentou impedir que o marido realizasse o ataque.
A mulher de Omar Mateen, atirador que matou 49 pessoas em uma boate LGBT de Orlando, em junho do ano passado, foi detida em conexão com o massacre, afirmou nesta segunda-feira (16) a procuradora-geral dos Estados Unidos Loretta Lynch, de acordo com a agência Reuters.

"Certamente eu posso confirmar que uma prisão ocorreu, sim, nesse caso”, afirmou a secretária de Justiça dos EUA, Loretta Lynch, à MSNBC depois de relatos divulgados pelo jornal "New York Times" e outros meios de comunicação.

"Nós dissemos desde o início que nós iríamos olhar todos os aspectos desse caso, todos os aspectos da vida desse atirador para determinar não somente por que ele realizou essas ações, mas quem mais sabia delas. Havia alguém mais envolvido?”, questionou Loretta.

Segundo informações da rede CBS, Noor Salman foi detida em San Francisco, para onde se mudou depois do ataque.

Ela enfrenta acusações de obstrução de justiça e de ajuda e cumplicidade com uma tentativa de fornecer apoio material a uma organização terrorista, disse o chefe de Polícia de Orlando, John Mina, em um comunicado.

Representantes do FBI não puderam ser contactados de imediato para dar mais detalhes.

Na época, fontes policiais divulgaram que Noor Salman teria dito à polícia que tentou impedir que o marido realizasse o ataque.

Mulher de atirador de boate LGBT em Orlando é detida nos EUA

Foto: Fanny Pinheiro

Flores no memorial da boate Pulse, em Orlando.
O ataque
Mateen fez disparos na boate Pulse na madrugada do dia 12 de junho com um fuzil AR-15 e uma pistola. Além de ter matado 49 pessoas, Mateen feriu outras 53.

Cerca de 350 frequentadores participavam de uma festa de música latina no local, que é conhecido da comunidade LGBT da cidade. Os sobreviventes descreveram cenas de carnificina quando o atirador levou reféns para dentro de um banheiro.

Três horas mais tarde, agentes entraram no local, libertaram 30 pessoas e mataram o suspeito.

Segundo as autoridades americanas, o ataque contra a boate Pulse foi o pior ataque a tiros da história moderna dos Estados Unidos e o mais violento ocorrido no país desde os atentados de 11 de setembro de 2001.

Mateen nasceu em Nova York, filho de pais afegãos, mas se mudou para Fort Pierce, uma cidade a cerca de 2h de Orlando.

Segundo o FBI, minutos antes de iniciar o ataque o atirador telefonou aos serviços de emergência para jurar "lealdade" ao grupo Estado Islâmico (EI). Mas o FBI descartou orientação externa ao ataque e afirmou que Mateen pode ter se inspirado principalmente na ideologia radical à qual foi exposto na Internet. O atirador já havia sido interrogado três vezes pelo FBI em dois inquéritos.

 
Encontre-nos no Google+