Polícia investiga agressão homofóbica a feirante após confusão em Goiânia

Delegado diz que vítima só foi espancada por ser gay e que já identificou os dois suspeitos, que serão chamados para depor.

Publicado em 21/02/2017 às 15:27

Do Gay1*

Polícia investiga agressão homofóbica a feirante após confusão em Goiânia

Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Polícia investiga agressão a feirante gay após confusão em Goiânia.
Um feirante foi agredido com socos e pontapés após uma confusão em uma feira de Goiânia. Segundo a Polícia Civil, o homem só apanhou somente por ser gay. Os dois suspeitos do crime já foram identificados, mas seguem em liberdade.

A vítima, que prefere não se identificar, sofreu hematomas nos olhos e escoriações no braço, além de ficar com o corpo todo dolorido. Ele conta que ficou desacordado e que os agressores afirmaram, durante a briga, que ele "teria que morrer" pelo fato de ser homossexual.

"Foram muitos murros, muitos pontapés em todo meu corpo. Na costela, no peito, na minha cabeça. Só senti o sangue, depois acho que eu desmaiei. Ele disse assim: ‘gente como você tem quem morrer'. Eu já percebi. Ele quis me identificar como gay e como que eu não valesse nada. Como seu eu não fosse gente naquele momento", relembra.

A situação ocorreu no último dia 11, quando o feirante chegava para trabalhar. Ele lembra que estava estacionando o caminhão quando quatro pessoas, que lanchavam em uma banca, se sentiram incomodadas porque ele manobrou o veículo perto demais da mesa delas.

Logo em seguida, dois homens foram tirar satisfação e começaram a agredir o profissional, que atua em feiras há mais de 30 anos. Os golpes só cessaram depois que um colega da vítima interveio e prestou socorro.

Investigação
Após o espancamento, o feirante registrou uma ocorrência no 1º DP de Goiânia. Segundo o delegado Izaías Pinheiro, responsável pelo caso, uma testemunha anotou a placa do carro dos agressores, que já foram identificados. Eles devem prestar depoimento ainda nesta semana.

A vítima já passou por exame de corpo de delito. O delegado salienta ainda que o crime, registrado como tentativa de homicídio, foi motivado por preconceito. "É um crime de homofobia. Eles só fizeram essa agressão brutal contra a vítima porque identificaram que ela era gay”, destaca.

O advogado Eder Araújo foi contratado para auxiliar o feirante no caso. Ele diz que a ideia é processar os suspeitos. "Hoje, nós realmente não temos como tolerar esse tipo de preconceito contra nenhum tipo de pessoas ou grupos que expressam a sua forma de viver”, declara.

Desde o dia em que tudo ocorreu, o homem alega que não teve coragem de voltar para a feira onde foi agredido. "Você levantar de madrugada para ir trabalhar e encontrar pessoas para querer te matar a troco de nada, de uma violência banal. Eu peço e quero justiça, para que eles não possam fazer isso com outras pessoas", reclama.

*Com informações da TV Anhanguera
 
Encontre-nos no Google+