Coréia do Sul esta usando aplicativos para 'caçar' soldados gays

Relações entre militares do mesmo sexo é proibida, que buscam evitar um "proliferação de sodomia entre os soldados", segundo organização LGBT.

Publicado em 19/04/2017 às 14:15

Gay1 Mundo*
Coreia do Sul esta usando aplicativos para 'caçar' soldados gays
Foto: FLICKR/USAG- HUMPHREYSExército da Coréia do Sul.

O exército da Coréia do Sul está sendo acusado de conduzir investigações entre seus soldados com o único propósito de identificar gays ou bissexuais masculinos presentes na instituição militar. Segundo o grupo Centro para os Direitos Humanos do Militares da Coréia (MHRCK), as ações começaram após o vazamento de um vídeo em que dois soldados aparecem fazendo sexo vestindo uniformes militares.

Até agora, um homem já foi preso, acusado de ter feito sexo com outro homem: a lei sul-coreana proíbe que militares tenham relações sexuais com parceiros do mesmo sexo. O mesmo não se aplica, porém, aos civis. As acusações partem de uma investigação feita utilizando aplicativos de encontro usados por gays ou bissexuais masculinos.

A organização liberou capturas de tela mostrando conversas entre dois militares em um dos aplicativos. Nelas, eles trocam fotos e perguntam informações pessoais, como nome e unidade em que está prestando serviço.

Coreia do Sul esta usando aplicativos para 'caçar' soldados gays
Foto: MILITARY HUMAN RIGHTS CENTER OF KOREACapturas de tela mostrando conversas entre dois militares em um dos aplicativos.

Segundo a MHRCK, oficiais que conduzem as investigações teriam coagido um dos homens a colaborar. A organização também vazou uma das diretrizes enviadas aos altos oficias militares na qual a ordem direta era "lidar rigidamente nos casos de relações sexuais de pessoas do mesmo sexo com a intenção de prevenir uma proliferação de sodomia entre os soldados".

Os suspeitos — que segundo o grupo já figuram entre 40 a 50 — poderão ser presos por até dois anos, segundo o a lei sul-coreana. O texto foi apoiado novamente por juízes da nação no ano passado.

Eles acreditam que o ambiente militar tem "alto potencial para atos anormais de cunho sexual entre membros do mesmo sexo e uma grande probabilidade de que superiores tentem praticar atos homossexuais com seus subordinados".

O exército sul-coreano afirmou que investigações estão sendo feitas apenas para apurar o caso do vídeo vazado e garante que os direitos de qualquer soldado homossexual ou bissexual serão garantidos. Apesar disso, várias outras associação LGBT já acusaram a instituição de coagir e intimidar os integrantes gays ou bissexuais presentes nas tropas.

*Com informações de Quartz

© Portal Gay1
 
Encontre-nos no Google+