'Humilhada', diz transexual impedida de abrir crediário em loja com nome social

Funcionária alegou que o sistema do comércio não autorizava o procedimento. Em nota, empresa afirmou que houve falha no processo.

Publicado em 16/05/2017 às 23:45

Gay1 SP
'Humilhada', diz transexual impedida de abrir crediário em loja com nome social
Foto: Arquivo PessoalJovem foi impedida de abrir crediário com o nome social.

Uma mulher transexual de São Carlos (SP) foi impedida de abrir um crediário utilizando seu nome social em uma loja de departamentos da cidade. Mesmo apresentando o RG, Leona Zanforlin não conseguiu dar continuidade ao procedimento. Uma das funcionárias alegou que o sistema da loja não aceitava o nome social da assinatura no documento e, no verso, o nome de nascimento. O caso repercutiu nas redes sociais. “Me senti humilhada”, disse a jovem de 24 anos, que foi vítima de transfobia.

Em nota, a Pernambucanas informou que houve falha no processo de atendimento à cliente, já que a loja trabalha com o uso do nome social na confecção do cartão. Disse também que “irá fortalecer os treinamentos internos no que tange aos assuntos relacionados a gênero e diversidade”.

Polêmica

Leona contou que no último dia 24 de abril foi à loja, acompanhada da mãe, comprar dois roupões. No momento de efetuar o pagamento, uma funcionária ofereceu a abertura de um crediário e solicitou um documento com foto (veja no vídeo acima).

“Depois que pegou meu documento, ela alegou que não poderia ser feito o crediário pela questão da minha assinatura estar com o nome feminino e, no verso, o masculino. Só que meu RG foi emitido pela SSP [Secretaria de Segurança Pública]. Ela disse que é sistêmico, que o sistema da loja recusa”, afirmou.

Segundo Leona, a funcionária ainda disse que isso iria acontecer com ela em outras grandes lojas. “Como se eu comprasse só em bazar de esquina ou em lojas de bairros, sendo que eu tenho cartão na Renner, na Riachuelo e na Marisa, que estão entre as maiores lojas de departamentos do Brasil”, desabafou.

A jovem gravou o áudio da discussão em seu celular e acionou a Polícia Militar para registrar um boletim de ocorrência. “Depois que a polícia chegou, ela me deu uma segunda opção, que era a de abrir o crediário manualmente, mas eu não aceitei pela questão de ser humilhada, do desgaste”, contou.

'Humilhada', diz transexual impedida de abrir crediário em loja com nome social
Foto: Arquivo PessoalJovem trans foi impedida de abrir crediário com nome social em São Carlos.

Humilhação e preconceito

Leona registrou um boletim de ocorrência na Delegacia de Defesa da Mulher (DDM).

“A funcionária duvidou disso [que eu iria chamar a polícia], me tratou com desprezo. Ela não tentou em nenhum momento abrir a minha conta manualmente antes da chegada da PM, falou que eu estava nervosa, mas eu estava nervosa por direito. Toda hora elas erravam, falavam ele/ela”, disse.

Apesar do constrangimento, a jovem deu continuidade na compra para ter a nota fiscal como “prova”. Ela afirmou que irá fazer o possível para ter seus direitos garantidos. “Eu fiquei indignada porque eu nunca fui tratada da maneira como fui tratada dentro dessa loja e, por esse motivo, eu vou processar, vou dar entrevista, expor na internet. O que tiver que fazer, eu vou fazer”, declarou.

Repercussão e apoio

Leona publicou um vídeo no Facebook denunciando o ocorrido, que já ultrapassa 2 mil visualizações. Além disso, afirmou estar recebendo apoio de conhecidos, amigos virtuais e pessoas trans.

A lei estadual 10.948 de 2001 protege lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais de discriminações sofridas em razão da orientação sexual ou identidade de gênero. Além disso, existe um decreto federal (nº 8727/2016) que dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais.

No âmbito municipal, desde 2014, existe em São Carlos um decreto (nº 192/2014) que dispõe sobre a inclusão e o uso do nome social de pessoas travestis e transexuais nos registros municipais relativos a serviços públicos prestados no âmbito da administração direta e indireta.

Além disso, a SSP reconhece o uso do nome social, que consta no RG de Leona.

'Humilhada', diz transexual impedida de abrir crediário em loja com nome social
Foto: Arquivo PessoalNota fiscal da compra realizada por Leona

Falha no procedimento

Em nota, a Pernambucanas informou que sempre teve como orientação o respeito à diversidade, seja de raça, gênero, culturas e crenças. Que em seus 108 anos de história, a empresa ressalta que valoriza e fomenta a diversidade, inclusive em seu quadro de colaboradores e que repudia quaisquer formas de preconceito.

Disse ainda que a companhia tem uma política clara em defesa da diversidade e considera que houve uma falha no procedimento de atendimento à cliente, e que trabalha com o uso do nome social na confecção do cartão. Que diante do episódio, reforça o comprometimento em fortalecer os treinamentos internos no que tange aos assuntos relacionados a gênero e diversidade.

A empresa afirmou ainda que a loja está em contato com a consumidora e reforça, mais uma vez, seu pedido de desculpas à cliente quanto ao ocorrido.

© Portal Gay1
 
Encontre-nos no Google+